"Nós vamos continuar", diz Mandetta

Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou sobre sua quase demissão por Jair Bolsonaro e garantiu que permanece no cargo. “Temos uma sociedade para tentar proteger. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar", disse Mandetta

Ministro Luiz Mandetta é recebido com aplausos por servidores do Ministério da Saúde
Ministro Luiz Mandetta é recebido com aplausos por servidores do Ministério da Saúde (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, concede entrevista coletiva na noite desta segunda-feira, 6, após a polêmica em torno de sua possível demissão. 

O ministro disse que segue no cargo. “Gostamos de críticas construtivas, o que não gostamos é de críticas que venham para conturbar o ambiente de trabalho. Hoje, foi um dia que rendeu pouco no ministério, ficou muita gente pensando se eu ia sair ou ficar. Nós vamos continuar, porque continuando a gente vai enfrentar nosso inimigo. Nosso inimigo tem nome e sobrenome: é a covid-19. Temos uma sociedade para tentar proteger. Médico não abandona paciente, eu não vou abandonar", afirmou o ministro.

O ministro disse também que a reunião com Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão e demais ministros foi “produtiva” e que, agora, o governo se “reposiciona” com mais “união”.

"Hoje foi um dia que o trabalho no Ministério rendeu pouco. Ficou todo mundo com a cabeça avoada se eu ia sair. Muitos vieram em solidariedade, e agradeço. [Tinha] Gente aqui dentro limpando gaveta, pegando as coisas. Até as minhas gavetas vocês ajudaram a fazer as limpezas", disse Mandetta.

Jair Bolsonaro já havia tomado a decisão de demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas foi convencido na final da tarde desta segunda-feira, 6, a mudar de ideia pela ala militar do governo. 

Segundo a revista Veja, Bolsonaro teria sido convencido por militares, como os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, de que a melhor decisão seria manter o ministro por enquanto (leia mais no Brasil 247).

Assista:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247