Nossa segurança pública é uma gambiarra de instituições, diz Jacqueline Muniz

Para antropóloga, a esquerda no governo precisa buscar mecanismos de controle da polícia

(Foto: Ricardo Moraes/Reuters | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - No programa 20 MINUTOS ENTREVISTA desta quarta-feira (09/06), o jornalista Breno Altman entrevistou a antropóloga e especialista em segurança pública Jacqueline Muniz.

Para ela, o Brasil “não possui um sistema de segurança pública", mas, na verdade, uma "gambiarra de instituições que competem entre si”, impedindo o controle da interno e externo das forças de segurança, impedindo que haja transparência e possibilitando o uso dessas forças para fins político partidários, segundo explicou. 

“E aí culpamos o sistema por isso. Culpamos algo abstrato e acaba não havendo responsabilização dos agentes, dos juízes, promotores e policiais”, criticou a antropóloga.

Existem vários fatores que contribuem para a manutenção dessa dinâmica. Um deles é a “guerra às drogas”, que Muniz classificou como “política de ostentação”: “A guerra contra o crime é um marketing para maximizar o medo. Diante do medo, as pessoas aceitam que se faça qualquer coisa, imediatamente. Valida a lógica policial e não resolve o problema. É um discurso moralista, para enganar bobos”.

O outro é a herança da ditadura. A também pesquisadora e professora da Universidade Federal Fluminense lembrou que a última reforma da polícia foi em 1968, quando esta foi subordinada ao Exército, criando-se a polícia militar, cujas ações, novamente, têm o objetivo de maximizar o medo. “A polícia tem que produzir obediência, não sujeição", ressaltou.

Segundo ela, essa lógica nunca foi contestada. E agora, com um governo de direita, virou projeto de poder: “Promover a insegurança e aparelhar o medo dá certo, é útil, porque então todo o mundo abre mão de suas liberdades e direitos”.

Reformas no sistema

Muniz analisou os passos necessários para realizar uma reforma da polícia e do sistema de segurança pública. Segundo ela, são coisas complicadas, pois “segurança pública é atravessada por juízos morais e visões de mundo. Além disso, qualquer reforma precisa passar pelo imediato, porque é algo que custa vidas e liberdade”. 

Ela afirmou que, apesar dos governos progressistas terem sido os únicos a realizar melhorias no sistema, promovendo a democratização de práticas policiais e implementando mecanismos de transparência, por exemplo, a esquerda tende a fugir do debate ou abordá-lo com demasiada superficialidade.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email