Novo chefe do Ibama no PA diz que vai parar de queimar máquinas de garimpo ilegal

O coronel da Polícia Militar Evandro Cunha dos Santos, novo superintendente regional do Ibama, nomeado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que recebeu ordem para interromper a queima de veículos usados em crimes ambientais na Amazônia, informa reportagem de Rubens Valente e Fabiano Maisonnave, na Folha de S.Paulo

(Foto: Ibama)

247 - O coronel da Polícia Militar Evandro Cunha dos Santos, novo superintendente regional do Ibama,  afirmou que recebeu ordem para interromper a queima de veículos usados em crimes ambientais na Amazônia, informa reportagem de Rubens Valente e Fabiano Maisonnave, na Folha de S.Paulo.

A declaração foi dada nesta segunda-feira (9) em audiência pública na cidade de Altamira (PA) organizada pelo ruralista Nabhan Garcia que ocupa, no governo Bolsonaro, a Secretaria Especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.  

Fiscais do Ibama consideram que o novo superintendente no Pará coloca em risco servidores do órgão atualmente em operação no município de Altamira, campeão de desmatamento e de focos de incêndio no país.   

O Ibama já embargou no município desde 27 de agosto quase 20 mil hectares e destruiu equipamentos de infratores ambientais.    

Santos foi nomeado para a chefia do Ibama paraense no último dia 2 pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.  Tudo indica que sua nomeação atende ao objetivo de conter a ação dos fiscais do órgão, que na semana passada, juntamente com fiscais do ICMBio e agentes da Força Nacional fizeram uma grande operação de repressão a garimpos ilegais na floresta nacional Crepori, no Pará, e queimaram equipamentos, incluindo duas retroescavadeiras, encontrados operando dentro da área protegida por lei.  

Em seu discurso de posse, no último dia 4, o novo superintendente admitiu que não tem experiência no combate a crimes ambientais. Ele exibiu fotos em que aparece ao lado de Jair Bolsonaro para deixar claro que a indicação veio do Planalto.    

Na audiência em Altamira, o ruralista Nabhan Garcia que ocupa, no governo Bolsonaro, a Secretaria Especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, atacou a destruição de equipamentos e anunciou que o governo vai se mobilizar para alterar a legislação em vigor. Ele culpou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) pela existência da lei.  "Se a lei foi malfeita, é porque alguém elegeu o senhor Lula. [...] Nós vamos trabalhar um decreto-lei, com a força do Congresso Nacional, e com a força de vocês, que o pedido representa o pedido de todo mundo, vamos trabalhar então para ver a possibilidade dessa lei ser alterada", disse Nabhan. 

Por sua vez, o senador Zequinha Marinho (PSC-PA),  disse que a maioria dos fiscais do Ibama é de "esquerdistas que odeiam" Bolsonaro.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247