Novo comandante do Exército enfrentará impasse sobre julgamento de militares envolvidos no terrorismo bolsonarista

Oficiais das Forças Armadas vão pressionar Tomás Paiva para que os envolvidos sejam julgados pela Justiça Militar, mas o Supremo entende que cabe a ele o processo

www.brasil247.com - Novo comandante do Exército, Tomás Miguel Ribeiro Paiva
Novo comandante do Exército, Tomás Miguel Ribeiro Paiva (Foto: Comando Militar do Sudeste | Marcelo Camargo/Agência Brasil |)


247 - Oficiais das Forças Armadas vão pressionar o novo comandante do Exército, Tomás Miguel Ribeiro Paiva, para que os militares envolvidos nos atos terroristas promovidos por bolsonaristas no último dia 8, em Brasília, sejam julgados na esfera militar, ou seja, pelas Auditorias Militares (1ª Instância) e Superior Tribunal Militar (STM). Por outro lado, membros do Supremo Tribunal Federal (STF) defendem que cabe à Corte julgar os oficiais. 

Paiva, que assumiu o cargo com a missão de pacificar a relação entre o governo Lula (PT) e as Forças Armadas, defende, assim como integrantes do governo, que os militares envolvidos nos atos golpistas tenham punição exemplar. As informações são da jornalista Bela Megale, em sua coluna no jornal O Globo.

Entretanto, membros de alta patente das três forças argumentam que os processos envolvem militares que são investigados por atos durante sua atividade profissional, como os membros do Batalhão da Guarda Presidencial. Portanto, deveriam ser julgados pela Justiça Militar. 

Já o Supremo Tribunal Federal (STF) entende que crimes cometidos contra a Corte ou com conexão com autoridades com foro privilegiado devem tramitar no Supremo. Magistrados, inclusive, já dão como certo que não há a menor chance de investigações envolvendo militares correrem fora do STF. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247