Novo coordenador do Enem é acusado de ter plagiado autor americano

Estudante de Direito Douglas Donin comparou a tese de Murilo Resende Ferreira, novo responsável pelo Enem, e identificou plágio de um artigo do autor americano Michael Minnicino, publicado em 1992; Ferreira também tem em sua biografia a expulsão do MBL de Goiás, que o acusou de "maluco completo"

Novo coordenador do Enem é acusado de ter plagiado autor americano
Novo coordenador do Enem é acusado de ter plagiado autor americano

247 - O estudante de Direito Douglas Donin comparou a tese de Murilo Resende Ferreira, novo coordenador do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) durante o governo Bolsonaro, e identificou plágio de um artigo do autor americano Michael Minnicino, publicado em 1992. Ferreira também tem em sua biografia a expulsão do MBL de Goiás, que o acusou de "maluco completo".

Ele será o titular da Diretoria da Avaliação da Educação Básica (Daeb) do Inep, órgão que coordena o Exame, e deve passar a interferir nas provas, bastante criticadas pela família Bolsonaro. No fim de semana, o presidente Jair Bolsonaro elogiou o economista, que, segundo ele, irá atacar o que chama de "lacração" e "doutrinação" nas escolas brasileiras.

Leia alguns trechos do relato publicado no Facebook de Douglas Donin, selecionados pelo DCM, sobre o plágio:

 

Fui avisado por algumas pessoas que a fabulosa teoria da conspiração “A Escola de Franfkurt: satanismo, feiúra e revolução”, publicada na revista “Estudos Nacionais” e orgulhoso ponto alto, joia da coroa da produção intelectual do novo responsável pelo ENEM, Murilo Resende Ferreira, seria um plágio de um artigo do artigo “The New Dark Ages: The Frankfurt School and ‘Political Correcteness'”, publicado em 1992 por Michael Minnicino na revista “Fidelio”, do Schiller Institute, e que o autor brasileiro teria simplesmente feito uma coleta de parágrafos do texto original, traduzido e trocado o nome de personalidades citadas no texto, como por exemplo Benny Goodman, que virou Caetano Veloso, adaptado a introdução para o momento atual, e assim vai. No Lattes do Murilo Resende, ele se apresenta como autor original, não como tradutor. Ele simplesmente cita o artigo original – bem mais completo e culto, aliás – como “fonte”.

Resolvi checar, à moda dos MythBusters. Resultado: bem, prefiro que vocês avaliem.

Este é o texto original:

https://archive.schillerinstitute.com/fi…/921_frankfurt.html

Este é o artigo de autoria do novo chefe do ENEM inspirado no original de Minnicino:

http://estudosnacionais.com/…/escola-de-franfkurt-satanism…/

Estes são os parágrafos do texto novo – alguns fatiados – com os parágrafos e trechos do original inseridos logo após cada um traduzido. Vejam por si sós se configura trabalho intelectual novo ou uma impostura psitaciforme:

=====

Um dos grandes paradoxos da civilização moderna é a coexistência de uma prosperidade material desconhecida junto à crescente feiúra e brutalidade social. As antigas formas de convivência social foram completamente devastadas e trocadas por diversões alucinadas onde uma música fabricada em laboratório hipnotiza e brutaliza os participantes. Nas ocasiões mais calmas, inexiste a antiga arte da conversa, da música e da poesia: só o que vemos são zumbis grudados em suas TVs e celulares. Muitos consideram que isso é uma evolução cultural natural, e até mesmo algo desejável e “progressista”. Mas em uma perspectiva histórica mais ampla, essa tirania da feiúra se mostra completamente injustificada. No final do século e no começo do século 20, a humanidade talvez tenha passado por um de seus maiores períodos criativos, com desenvolvimentos magníficos na música clássica, na literatura, na filosofia e em vários outros campos, e, pelo menos até a Segunda Guerra Mundial, esses desenvolvimentos tinham ampla reverberação na cultura popular. Como se deu uma queda tão rápida? Como chegamos ao mundo em que tudo é cultura, em que os estudantes universitários desejam proibir os grandes clássicos da literatura por não se encaixarem nos ditames do politicamente correto? O centro de onde irradiou essa verdadeira conspiração foi o Instituto de Pesquisa Social, popularmente conhecido como a Escola de Frankfurt.

(The people of North America and Western Europe now accept a level of ugliness in their daily lives which is almost without precedent in the history of Western civilization. Most of us have become so inured, that the death of millions from starvation and disease draws from us no more than a sigh, or a murmur of protest. Our own city streets, home to legions of the homeless, are ruled by Dope, Inc., the largest industry in the world, and on those streets Americans now murder each other at a rate not seen since the Dark Ages. At the same time, a thousand smaller horrors are so commonplace as to go unnoticed. Our children spend as much time sitting in front of television sets as they do in school, watching with glee, scenes of torture and death which might have shocked an audience in the Roman Coliseum. Music is everywhere, almost unavoidable—but it does not uplift, nor even tranquilize—it claws at the ears, sometimes spitting out an obscenity. Our plastic arts are ugly, our architecture is ugly, our clothes are ugly. There have certainly been periods in history where mankind has lived through similar kinds of brutishness, but our time is crucially different. Our post-World War II era is the first in history in which these horrors are completely avoidable. Our time is the first to have the technology and resources to feed, house, educate, and humanely employ every person on earth, no matter what the growth of population. Yet, when shown the ideas and proven technologies that can solve the most horrendous problems, most people retreat into implacable passivity. We have become not only ugly, but impotent. Nonetheless, there is no reason why our current moral-cultural situation had to lawfully or naturally turn out as it has; and there is no reason why this tyranny of ugliness should continue one instant longer.(..) The single, most important organizational component of this conspiracy was a Communist thinktank called the Institute for Social Research (I.S.R.), but popularly known as the Frankfurt School.)

Após a Revolução Comunista na Rússia em 1917, a crença geral do comunismo internacional era de que a revolução se espalharia como fogo por todo o mundo. Como isso não aconteceu, a Internacional Comunista deu início a uma série de iniciativas que buscavam compreender os motivos. Uma delas era liderada por Georg Lukács, um aristocrata húngaro, filho de um dos maiores banqueiros do Império Austro-Húngaro. Como comissário de cultura do breve regime comunista de Budapeste em 1919, ele descobrira um interessante fenômeno em relação à doutrinação ideológica. Um de seus projetos consistia na doutrinação marxista das crianças e adolescentes dos bairros mais pobres de Budapeste.

(In the heady days immediately after the Bolshevik Revolution in Russia, it was widely believed that proletarian revolution would momentarily sweep out of the Urals into Europe and, ultimately, North America. It did not; the only two attempts at workers’ government in the West— in Munich and Budapest—lasted only months. The Communist International (Comintern) therefore began several operations to determine why this was so. One such was headed by Georg Lukacs, a Hungarian aristocrat, son of one of the Hapsburg Empire’s leading bankers. Trained in Germany and already an important literary theorist, Lukacs became a Communist during World War I, writing as he joined the party, “Who will save us from Western civilization?” Lukacs was well-suited to the Comintern task: he had been one of the Commissars of Culture during the short-lived Hungarian Soviet in Budapest in 1919; in fact, modern historians link the shortness of the Budapest experiment to Lukacs’ orders mandating sex education in the schools, easy access to contraception, and the loosening of divorce laws—all of which revulsed Hungary’s Roman Catholic population.)

(…)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247