O futuro das cidades

O grande dilema para os municípios é encontrar soluções para questões como o lixo, energia, alimentos, meio ambiente, saúde, educação, entre outros

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Para falar sobre cidades e grandes centros urbanos, é necessário, mais que visão crítica das localidades, observar as questões temáticas sobre diversos ângulos.

O grande dilema para os municípios é encontrar soluções para questões como o lixo, energia, alimentos, meio ambiente, saúde, educação, cultura, ocupação urbana, transportes, segurança, turismo, trabalho, ordenamento jurídico, tecnologia e outros.

Adotar laços coerentes da razão do viver urbano, provocando a sociedade moderna a ser mais inovadora e ter audácia ecológica, com incentivos, pode transformar a realidade para a sustentabilidade da vida.

Centenas de temas foram debatidos na Expo 2010, em Xangai, na China, durante seis meses, uma exposição mundial que colocou em destaque a questão “Cidade Melhor, Vida Melhor”, com mais de 20 mil atividades, entre palestras, workshops e dinâmicas. Foram mais de 70 milhões de visitantes a esta exposição que com certeza mudará o destino de algumas cidades do mundo, num grande esforço coletivo de melhoria de qualidade de vida da população urbana que discute o contexto da sociedade atual e como melhorar a qualidade de vida, na troca simultânea de experiências e parcerias no desenvolvimento de soluções.

O mundo ainda encontra-se carente de consciência coletiva ecológica. Apesar de milhões de pessoas já adotarem a reciclagem, outras bilhões não o fazem, bem como o dilema da questão da comida. Haverá também a necessidade de encontrar soluções frente aos processos industriais e as culturas orgânicas, um caminho a ser estudado para que atenda a demanda crescente de consumo de alimentos da população de maneira mais saudável e que impacte menos no clima global.

Existem soluções para águas das chuvas, asfaltos com borrachas de pneus usados, aproveitamento de esgotos urbanos para produção de gás de cozinha, chuveiros com captadores de calor, lavagem a seco de carros, portanto, vamos repensar as cidades para melhoria da qualidade de vida e auxiliar as futuras gerações.

A razão do trabalho será modificada e a mudança rápida e os movimentos de redes de conhecimento definirão o futuro das ocupações profissionais. Quanto maior for a rede de transmissão de conhecimento e informação, maiores serão as oportunidades potenciais de diminuição das desigualdades sociais, afetando diretamente as relações de empregabilidade das cidades.

O equilíbrio no acesso à cultura também é essencial para diminuição dos contrastes sociais, elevação do conhecimento coletivo popular e a união de grupos distintos em prol de uma sociedade mais realista e justa, pois os seus valores são discutidos e apresentados em contexto real da comunidade em que está inserida. A cultura desenvolve o indivíduo, mostrando as suas faces frente a um universo nem sempre conhecido das cidades.

A problematização centrada na cidade do cotidiano da vida local, com observações, análises, avaliação e cooperação para superação dos conflitos existentes, provocará aprimoramento da gestão pública, baseada em uma nova ordem de conscientização de nosso papel como cidadão planetário para sobrevivência e subsistência do homem.

Falar, pensar e argumentar, parte do processo de evolução, a raiz é buscar fazer as mesmas coisas de forma mais simples, oferecendo novas comodidades, treinando o pensamento e os olhos a perceberem o óbvio, permitindo a busca do utilitarismo real da sociedade no contexto das cidades.

Welinton dos Santos é economista e palestrante

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email