O último voo do Flamengo

A Light atribuiu as explosões de bueiros no Rio de Janeiro à falta de manutenção, mas buscar explicações sensatas pruma situação completamente absurda não tem a menor graça. Tenho um palpite melhor: os bueiros explodem em protesto patriótico contra a FIFA

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não o time, o bairro. Os bueiros estão (estavam, estarão?) explodindo por lá, entre outros pontos do Rio de Janeiro. As tampas voam, os orelhões pegam fogo e a Light não consegue explicar o que está acontecendo. Quer dizer, a Light atribuiu as explosões à falta de manutenção da rede subterrânea da cidade, mas esse negócio de buscar explicações sensatas para situações completamente absurdas não tem a menor graça – e, no fundo, também carece de sentido. É por isso que busquei o agualusano (ou seria moçambicano?) Mia Couto, atrás de uma explicação delirantemente plausível para o fato, e cheguei ao nome da Federação Internacional de Futebol, vulga FIFA.

O nome do livro é O último voo do Flamingo e ele fala sobre uma série de explosões de oficiais das Nações Unidas a serviço das forças de paz em Moçambique. Se eu entendi bem – e o mais importante nos livros do Mia Couto não é exatamente entender –, as explosões de capacetes azuis são uma resposta à interferência estrangeira no país. Pois bem, concluo eu, as explosões no Rio de Janeiro são igualmente manifestações patrióticas dos bueiros cariocas, que, ofendidos pelos desmandos da FIFA no Brasil, resolveram tomar uma atitude em nome da nação.

Se nem os governos municipais, estaduais e federal estão dispostos a questionar os prejuízos causados pela interferência estrangeira em assuntos nacionais, que sejam as entranhas da Cidade Maravilhosa a se manifestar explosivamente contra projetos de mobilidade urbana que não vão melhorar o transporte público e estádios que, depois da Copa do Mundo, transformar-se-ão em grandes monumentos em memória ao erário perdido. Ah, se a Copa do Mundo de fato contribuísse para melhorar a qualidade dos nossos aeroportos e acabasse de vez com a lotação das salas de embarque.

Foi em nome de todas essas promessas de melhoria que o governo nos convenceu de que era um bom negócio sediar o maior evento esportivo do mundo. Mas aí vêm a FIFA e a CBF e aprovam que São Paulo sedie o campeonato numa maquete, impõem colaboradores às cidades-sede e proíbem que jornalistas da concorrência acompanhem o sorteio das eliminatórias para o torneio.

Atrasados, vamos tocando tudo de forma atropelada, trocando os pés pelas mãos e as rodas pelos trilhos na indecisão sobre o melhor transporte que não vai nos levar a lugar nenhum. Se é pra ser assim, que pelo menos os patrióticos bueiros sigam alertando ao mundo sobre os problemas do Brasil, antes que seja tarde demais. Sigamos juntos até o voo da última tampa de bueiro do Flamengo, nobres amigos da nação. Se possível, sem machucar mais ninguém.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247