OAB critica celebração do golpe de 64 e alerta para ‘estrada tenebrosa’

O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, criticou a proposta do presidente Jair Bolsonaro de estabelecer a comemoração do golpe de 31 de março de 1964; "Comemorar a instalação de uma ditadura que fechou instituições democráticas e censurou a imprensa é querer dirigir olhando para o retrovisor, mirando uma estrada tenebrosa", disse ele 

OAB critica celebração do golpe de 64 e alerta para ‘estrada tenebrosa’
OAB critica celebração do golpe de 64 e alerta para ‘estrada tenebrosa’ (Foto: Eugênio Novaes - OAB)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, criticou nesta quarta-feira (27), a proposta do presidente Jair Bolsonaro de estabelecer a comemoração do golpe de 31 de março de 1964.

"Em um cenário de crise econômica, com quase 13 milhões de desempregados, é preciso olhar para a frente e tratar do que importa: o futuro do povo brasileiro. Comemorar a instalação de uma ditadura que fechou instituições democráticas e censurou a imprensa é querer dirigir olhando para o retrovisor, mirando uma estrada tenebrosa", disse ele em texto publicado no site da instituição.

"Não podemos dividir ainda mais uma nação já fraturada: a quem pode interessar celebrar um regime que mutilou pessoas, desapareceu com seus inimigos, separou famílias, torturou tantos brasileiros e brasileiras, inclusive mulheres grávidas? Não podemos permitir que os ódios do passado envenenem o presente, destruindo o futuro", complementou.

 

PUBLICIDADE

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email