Okamotto nega irregularidades em armazenamento de acervo de Lula

Defesa de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, rebateu o Ministério Público Federal, que pediu a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além da de Okamotto, por, dentre outras suspeitas, terem se beneficiado indevidamente de vantagens oferecidas por empreiteiras; advogado de defesa de Paulo Okamotto, Fernando Augusto Fernandes, ressaltou "que o processo demonstrou não existir qualquer ilegalidade em relação ao armazenamento do acervo do ex-presidente Lula, por isso, acredita na absolvição de seu cliente"

Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto
Presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, rebateu o Ministério Público Federal, que pediu a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além da de Okamotto, por, dentre outras suspeitas, terem se beneficiado indevidamente de vantagens oferecidas por empreiteiras.

Por meio de nota, o advogado de defesa de Paulo Okamotto, Fernando Augusto Fernandes, ressaltou "que o processo demonstrou não existir qualquer ilegalidade em relação ao armazenamento do acervo do ex-presidente Lula, por isso, acredita na absolvição de seu cliente".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247