Olavo de Carvalho conclama e bolsonaristas começam campanha por ditadura e novo AI-5

O escritor Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, defende uma ditadura militar e afirma que "só uma coisa pode salvar o Brasil: a união indissolúvel de povo, presidente e Forças Armadas". Miliciano virtual, Allan dos Santos, principal líder dos bolsonaristas nas redes sociais, diz que o povo está "querendo um novo AI-5 e ai de Bolsonaro caso tente parar o povo"

www.brasil247.com -
(Foto: PR | Reprodução)


247 - O escritor Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, determinou uma nova frente de batalha nas redes sociais e pregou uma ditadura militar comandada pelo ocupante do Planalto. 

“Só uma coisa pode salvar o Brasil: a união indissolúvel de povo, presidente e Forças Armadas”, escreveu Carvalho nesta quarta-feira (16) pela sua conta no Twitter.

Allan dos Santos, principal líder dos bolsonaristasnas redes sociais, ambém usou a rede social para afirmar que “o povo” quer um novo AI-5, referindo-se ao Ato Institucional instituído em 13 de dezembro de 1968 pela ditadura, que resultou na perda de mandatos de parlamentares contrários aos militares, fechamento do Congresso, intervenções em estados e em municípios, e a institucionalização da tortura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O establishment quer ver Bolsonaro repetindo o AI-5, mas o que vejo é o povo querendo um novo AI-5 e ai de Bolsonaro caso tente parar o povo. Será varrido junto. Não há UM brasileiro que aceitará, caso a decisão do STF seja soltar os CRIMINOSOS EM MASSA. Lava Jato regnat”, afirmou Santos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os post de Olavo de Carvalho e Allan dos Santos estão alinhados com o discurso de Jair Bolsonaro, que, mesmo antes de ser eleito, defendia a Ditadura Militar (1964-1985). Na votação do golpe conta Dilma Rousseff, por exemplo, em abril de 2016, ele, então deputado federal, exaltou Carlos Brilhante Ustra, ex-chefe do Doi-Codi de São Paulo e torturador na ditadura. Ao proferir seu voto, ele disse que o coronel é o "pavor de Dilma Rousseff" (veja aqui).

No mês passado, Bolsonaro defendeu a tortura e morte do brigadeiro Alberto Bachelet na ditadura militar chilena. Ele é pai da Alta Comissária da ONU Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Diz [referindo-se a Bachelet} ainda que o Brasil perde espaço democrático, mas se esquece que seu país só não é uma Cuba graças aos que tiveram a coragem de dar um basta à esquerda em 1973, entre esses comunistas o seu pai brigadeiro à época”, escreveu o ocupante do Planalto no Facebook (leia aqui).

Depois de eleito, Bolsonaro se atém mais a uma guerra ideológica, para culpar um "inimigo imaginário", pelo mal andamento da economia e dos serviços públicos. Também em setembro, em discurso na Assembleia Geral da ONu, ele disse que é preciso a "ideologia (de esquerda) invadiu a alma humana e deixou um rastro de miséria por onde passou". "A ONU pode ajudar na derrota ao ambiente ideológico", disse. "A ideologia invadiu nossos lares contra nossas famílias e tenta destruir a inocência de nossas crianças. O politicamente correto domina o debate público", complementou (relembre).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email