ONG de Damares é acusada de tráfico de crianças indígenas

Entidade fundada por Damares Alves, futura ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos, é alvo de denúncias no Ministério Público por crime de tráfico e sequestro de crianças e incitação ao ódio contra indígenas; sob um falso selo humanitário, a entidade é acusada de explorar o infanticídio de crianças indígenas para legitimar sua agenda que envolveria "tráfico e exploração sexual" de indígenas  

ONG de Damares é acusada de tráfico de crianças indígenas
ONG de Damares é acusada de tráfico de crianças indígenas (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

247 - A ONG Atini, entidade fundada por Damares Alves, futura ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos, é alvo de denúncias no Ministério Público por crime de tráfico e sequestro de crianças e incitação ao ódio contra indígenas.

De acordo com matéria da Folha de S. Paulo, a Atini, sob um falso selo humanitário, é acusada de explorar o infanticídio de crianças indígenas para legitimar sua agenda. Em 2016, a Polícia Federal pediu informações à Funai (Fundação Nacional do Índio) sobre supostos "tráfico e exploração sexual" de indígenas para apurar a atuação da fundação da ministra e outras duas ONGs.

A Funai, a partir de 2019, ficará sob guarda da pasta chefiada por Damares, que prometeu pôr em sua presidência alguém que "ame desesperadamente os índios". O processo sobre as organizações ainda tramita no órgão.

Damares fundou a Atini em 2006 e se vangloriava por supostamente ter alvo ao menos 50 crianças em situação de risco, algumas delas enterradas vivas. Ela se afastou da Atini em 2015 para integrar o gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), onde prestava assessoria jurídica à bancada evangélica no Congresso.

Confira a íntegra da matéria na Folha de S. Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247