ONG de ministra de Bolsonaro foi denunciada por discriminar indígenas

ONG Movimento Atini - Voz Pela Vida, comandada pela pastora Damares Alves, futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo de Jair Bolsonaro (PSL), já foi denunciada pelo MPF por "dano moral coletivo decorrente de suas manifestações de caráter discriminatório à comunidade indígena e por tentar "legitimar as ações missionárias no interior das comunidades indígenas"; ministério comandado por Damares irá encampar a Funai e ser responsável pela aplicação de políticas voltadas para as comunidades indígenas

www.brasil247.com - ONG de ministra de Bolsonaro foi denunciada por discriminar indígenas
ONG de ministra de Bolsonaro foi denunciada por discriminar indígenas


247 - A ONG Movimento Atini - Voz Pela Vida, comandada pela pastora Damares Alves, futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo de Jair Bolsonaro (PSL), já foi denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF) "dano moral coletivo decorrente de suas manifestações de caráter discriminatório à comunidade indígena". Indicação de Damares para o ministério, que irá comandar a Fundação Nacional do Índio (Funai), causou irritação entre os servidores e preocupa outras entidades ligadas à defesa dos direitos indígenas.

A denúncia do MPF contra a ONG, que diz ter como missão "promover a conscientização e a sensibilização da sociedade sobre a questão do infanticídio de crianças indígenas", foi feita em 2015, após a Atini divulgar um vídeo sobre a questão do infanticídio indígena. Na ação, o MPF pede que a ONG pague R$ 1 milhão a título de danos morais, além da proibição da veiculação do documentário "Hakani – A história de uma sobrevivente".

Para os procuradores, o filme buscava "chamar atenção acerca do tema 'infanticídio indígena' para "legitimar as ações missionárias no interior das comunidades indígenas". O vídeo foi produzido em parceria com a instituição Jovens Com Uma Missão (Jocum), denominação adotada no Brasil pela organização evangélica norte-americana Youth With a Mission.

Ainda segundo o MPF, o vídeo causou "profunda indignação na sociedade, gerando manifestações preconceituosas e discriminatórias em face das comunidades indígenas", além de "atingir a dignidade humana deste grupo perante a sociedade".

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247