Operador de Temer, coronel Lima será ouvido hoje pela PF após 9 meses de tentativas

Desde junho de 2017, o ex-coronel João Batista Lima, operador e amigo pessoal de Michel Temer, apresenta atestados de saúde como resposta às intimações da PF para esclarecimentos; ele foi citado em delações de executivos do Grupo J&F; prisão de Lima foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, relator do inquérito que investiga se Temer, por meio de decreto, beneficiou empresas do setor portuário em troca de suposto recebimento de propina

Operador de Temer, coronel Lima será ouvido hoje pela PF após 9 meses de tentativas
Operador de Temer, coronel Lima será ouvido hoje pela PF após 9 meses de tentativas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-coronel João Batista Lima, operador e amigo pessoal de Michel Temer, será ouvido nesta sexta-feira (30) pela Polícia Federal em São Paulo, após quase 9 meses de tentativas frustradas. Ele foi preso pela Operação Skala na quinta-feira (29).

A prisão de Lima foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, relator do inquérito do inquérito que investiga se Temer, por meio de decreto, beneficiou empresas do setor portuário em troca de suposto recebimento de propina.

Desde junho de 2017, o ex-coronel apresenta atestados de saúde como resposta às intimações da PF para esclarecimentos. O depoimento está marcado para as 8h30.

As primeiras tentativas de ouvi-lo foram após a delação de executivos da J&F. Na ocasião, com base nas delações, Lima foi apontado pela Procuradoria Geral da República como um dos intermediários de propina que supostamente seria paga ao presidente Temer.

Também com base nas delações, a PGR solicitou a abertura de inquérito e, em setembro do ano passado, Barroso autorizou a investigação. A partir daquele mês, o delegado Cleyber Malta Lopes, responsável pela apuração da PF, enviou novas intimações para marcar o depoimento, o que não ocorreu até agora por causa dos problemas de saúde alegados por Lima.

As informações são de reportagem do G1.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247