Organizações pedem que BNDES libere recursos do Fundo Amazônia para combater a pandemia e o desmatamento

Em carta enviada à direção do BNDES e ao STF, cinquenta organizações da sociedade civil cobram a liberação de recursos do Fundo Amazônia, estimado em mais de R$ 2 bilhões, que está paralisado desde o ano passado

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Cinquenta organizações da sociedade civil irão lançar, nesta terça-feira (4) uma carta aberta cobrando a liberação de recursos do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que está paralisado desde o ano passado. De acordo com as entidades, os recursos do fundo - que possui patrimônio estimado em mais de R$ 2 bilhões – são necessários para enfrentar o desmatamento e a pandemia do novo coronavírus. Segundo reportagem do jornal O Globo, a carta será lançada durante uma transmissão ao vivo da Frente Parlamentar Ambientalista pela internet. 

As organizações também querem que o BNDES suspenda o financiamento de projetos em áreas com ocorrência  de desmatamento ilegal, além de análises mais acuradas  em projetos que resultem impacto social ou ambiental negativo. O documento também cobra o acesso aos recursos do Fundo Clima, avaliado em R$ 250 milhões e do Fundo Social , voltados para a redução dos efeitos das mudanças climáticas e seus efeitos sobre a população. 

Além da direção do BNDES, o documento será entregue aos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber e Luís Roberto Barroso, responsáveis por duas ações diretas de inconstitucionalidade por omissão, que tratam da omissão da União com a paralisação dos recursos do Fundo Amazônia e do Fundo Clima.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247