Para colunista do Estadão, governo Temer “derreteu”

"Tom taxativo" empregado por Michel Temer para negar as denúncias de que avalizou o pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato, "não eliminou a falta de sustentação política instantânea que atingiu o governo depois da revelação das primeiras informações das delações de Joesley Batista e demais colaboradores do grupo JBS", diz a jornalista Vera Magalhães; segundo ela, "Temer adiou a renúncia, mas os desdobramentos da delação podem torná-la inexorável em poucas horas. Ele até pode refutar a literalidade das gravações, mas o derretimento político do governo não depende mais disso"

"Tom taxativo" empregado por Michel Temer para negar as denúncias de que avalizou o pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato, "não eliminou a falta de sustentação política instantânea que atingiu o governo depois da revelação das primeiras informações das delações de Joesley Batista e demais colaboradores do grupo JBS", diz a jornalista Vera Magalhães; segundo ela, "Temer adiou a renúncia, mas os desdobramentos da delação podem torná-la inexorável em poucas horas. Ele até pode refutar a literalidade das gravações, mas o derretimento político do governo não depende mais disso"
"Tom taxativo" empregado por Michel Temer para negar as denúncias de que avalizou o pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato, "não eliminou a falta de sustentação política instantânea que atingiu o governo depois da revelação das primeiras informações das delações de Joesley Batista e demais colaboradores do grupo JBS", diz a jornalista Vera Magalhães; segundo ela, "Temer adiou a renúncia, mas os desdobramentos da delação podem torná-la inexorável em poucas horas. Ele até pode refutar a literalidade das gravações, mas o derretimento político do governo não depende mais disso" (Foto: Paulo Emílio)

247 - Para a colunista do jornal O Estado de São Paulo Vera Magalhães, o "tom taxativo" empregado por Michel Temer para negar as denúncias de que avalizou o pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Lava Jato, "não eliminou a falta de sustentação política instantânea que atingiu o governo depois da revelação das primeiras informações das delações".

"De fato, a transcrição do áudio é menos literal do que o divulgado inicialmente quanto ao suposto aval de Temer ao pagamento para calar Cunha mesmo depois de preso", afirma

"Ainda assim, o conjunto da conversa é gravíssimo e avassalador para o presidente. Ele ouve o empresário relatar crimes em série, como o pagamento de propina a um procurador da República para obstruir investigações, ou o "controle" de dois juízes com o mesmo fim, e nem sequer o admoesta. Também não toma providências posteriores. No mínimo, cometeu o crime de prevaricação", ressalta.

"Temer adiou a renúncia, mas os desdobramentos da delação podem torná-la inexorável em poucas horas. Ele até pode refutar a literalidade das gravações, mas o derretimento político do governo não depende mais disso", assegura a colunista.

Leia o artigo na íntegra. 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247