Parlamentares bolsonaristas pedem que Procurador-Geral mande Lula de volta à prisão

Os deputados de extrema direita do PSL de São Paulo Carla Zambelli e Sanderson e o senador Major Olímpio (PSL-SP) pediram ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, para mandar prender Lula de novo

Ex-presidente Lula é levado nos braços do povo em São Bernardo
Ex-presidente Lula é levado nos braços do povo em São Bernardo (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Parlamentares de extrema-direita do PSL de São Paulo - deputados Carla Zambelli, Sanderson e o senador Major Olímpio, querem que Lula seja preso de novo. Apresentaram nesse sentido alegações ao Procurador-Geral da República Augusto Aras, afirmando que o ex-presidente incita "a violência" para promover "confusão e balbúrdia" 

Os deputados da extrema-direita paulista pediram a prisão preventiva de Lula. No requerimento - informa a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna na Folha de S.Paulo -, eles solicitam também a instauração de inquérito policial e afirmam que o ex-presidente incita “a violência com o intuito de promover desagregação, confusão e balbúrdia”.   

Eles usam como exemplo a declaração de Lula um dia após sua soltura, no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo: “A gente tem que seguir o exemplo do povo do Chile, do povo da Bolívia, a gente tem que resistir”.   

Na tarde desta segunda-feira (11), o senador Major Olimpio (PSL-SP) também protocolou pedido de prisão de Lula à PGR. Em seu Twitter, ele afirmou que "é inaceitável" que o ex-presidente "incite a violência e a desordem".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247