‘Parte técnica do impeachment parece desculpa para dar sustentação à política’

Em entrevista ao site PareOGolpe, Leandro Freitas Couto, analista de planejamento e orçamento e secretário-geral do Assessor Sindical (ASSECOR), afirma que "o que vai definir se haverá impeachment ou não é a mídia, na sua seletividade de explorar atos e denúncias que estão recaindo sobre o vice-presidente e sua equipe. Não será pelos argumentos técnicos"; Couto, que testemunhou em defesa da presidente Dilma no Senado nesta quinta-feira, avalia ainda que, "a cada nova denúncia, a cada novo vazamento, novos motivos para o impeachment vão se revelando e a parte técnica parece mais uma desculpa necessária que foi usada para dar sustentação, ainda que frágil, ao processo"

Em entrevista ao site PareOGolpe, Leandro Freitas Couto, analista de planejamento e orçamento e secretário-geral do Assessor Sindical (ASSECOR), afirma que "o que vai definir se haverá impeachment ou não é a mídia, na sua seletividade de explorar atos e denúncias que estão recaindo sobre o vice-presidente e sua equipe. Não será pelos argumentos técnicos"; Couto, que testemunhou em defesa da presidente Dilma no Senado nesta quinta-feira, avalia ainda que, "a cada nova denúncia, a cada novo vazamento, novos motivos para o impeachment vão se revelando e a parte técnica parece mais uma desculpa necessária que foi usada para dar sustentação, ainda que frágil, ao processo"
Em entrevista ao site PareOGolpe, Leandro Freitas Couto, analista de planejamento e orçamento e secretário-geral do Assessor Sindical (ASSECOR), afirma que "o que vai definir se haverá impeachment ou não é a mídia, na sua seletividade de explorar atos e denúncias que estão recaindo sobre o vice-presidente e sua equipe. Não será pelos argumentos técnicos"; Couto, que testemunhou em defesa da presidente Dilma no Senado nesta quinta-feira, avalia ainda que, "a cada nova denúncia, a cada novo vazamento, novos motivos para o impeachment vão se revelando e a parte técnica parece mais uma desculpa necessária que foi usada para dar sustentação, ainda que frágil, ao processo" (Foto: Aline Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do site PareOGolpe

Entrevista com Leandro Freitas Couto, Analista de Planejamento e Orçamento e Secretário Geral do Assessor Sindical (ASSECOR).

"PareOGolpe" – O que é a ASSECOR? Qual o seu papel na gestão?

Leandro – Assecor Sindical é a entidade nacional que representa a carreira de planejamento e orçamento. Sou Secretário Geral.

"PareOGolpe"- Na sua avaliação, a explicação técnica para o impeachment tem algum valor? Por quê?

Leandro – São duas as motivações das acusações. Os atrasos dos repasses ao Banco do Brasil no caso do Plano Safra – que ficou conhecido como as pedaladas fiscais – e quatro (4) decretos de créditos orçamentários que, segundo a acusação, teriam sido ilegais. Nossa carreira tem a atribuição e responsabilidade de trabalhar no processo de planejamento e orçamento. Não nos posicionamos com relação às pedaladas, mas defendemos a legalidade dos créditos orçamentários porque os procedimentos para sua edição obedeceram todas as normativas postas no momento.

"PareOGolpe" – Qual a posição da entidade sobre o impedimento da presidenta Dilma? É unânime na categoria, ou há divergências? Se for unânime, ou maioria, explique o porquê?

Leandro – A entidade não se posicionou com relação ao impedimento da Presidenta Dilma. Apenas defendemos a legalidade dos créditos orçamentários.

"PareOGolpe" – Se a presidenta Dilma sofrer impeachment, quer dizer que os técnicos cometeram crime também? Explique melhor essa situação?

Leandro – A acusação agora entrou com um argumento novo, afirmando que o TCU deu conhecimento à AGU sobre as investigações dos créditos o que, segundo eles, deveriam ter sido utilizados pelo executivo para suspender tal prática. Os colegas da carreira de planejamento e orçamento que tiveram participação nos atos só tiveram conhecimento da decisão do TCU a partir do Acórdão de outubro de 2015, momento a partir do qual a prática foi revista. Todavia, na nossa perspectiva, os atos foram legais.

"PareOGolpe" – Quantos da ASSECOR foram chamados para depor, em defesa e em acusação à presidenta Dilma? Por que motivo você acha que membros da entidade foram arrolados como testemunha?

Leandro – Todos os diretores da Secretaria de Orçamento Federal e alguns analistas de planejamento que participaram da elaboração dos pedidos ou análises dos processos foram arrolados. Não por sua ligação com o Assecor Sindical, mas por terem tido participação no processo.

"PareOGolpe" – Qual a linha dos depoimentos dos que foram arrolados no testemunho na comissão do impeachment no Senado? Existe alguma uniforme? Ou cada um defende a sua argumentação?

Leandro – A linha de todos os analistas de planejamento e orçamento tem sido a mesma: a defesa da legalidade dos atos, particularmente no atendimento do estabelecido no art. 4 da LOA, que estabelece que o Poder Executivo poderá emitir decretos de créditos suplementares ao orçamento desde que compatíveis com a meta fiscal. A posição técnica é que créditos de despesas discricionárias não afetam a meta fiscal, porque são submetidos aos decretos de programação financeira – decretos de contingenciamento. No caso das despesas obrigatórias, essa compatibilidade deve ser observada e, se necessário, o Executivo deve suspender despesas discricionárias até no bimestre subsequente, de acordo com o relatório bimestral de avaliação das receitas e despesas. Isso foi feito.

"PareOGolpe" – A perícia autorizada pelo ministro Lewandowski é positiva ou não para a presidenta Dilma? Por quê?

Leandro – Creio que sim. Todas as iniciativas que venham a trazer mais luz para um processo central para a segurança do Estado Democrático de Direito em nosso país, é positivo.

"PareOGolpe" – Explique o porquê, na visão da carreira, as operações de crédito não são criminosas?

Leandro – Os créditos orçamentários são legais, de acordo com a argumentação da resposta à pergunta 06. A questão sobre as operações de crédito diz respeito à outra acusação, das chamadas pedaladas fiscais. A questão central posta pela acusação, que a defesa tenta rebater, é se os atrasos dos repasses ao Banco do Brasil eram ou não operações de crédito. O governo alega que era uma prestação de serviço.

"PareOGolpe" – O que eles alegam para dar admissibilidade ao impeachment?

Leandro – A argumentação inicial, no caso dos créditos, era que estes foram abertos sem autorização prévia do Congresso Nacional. Em verdade, o art. 4 da LOA confere ao Executivo a possibilidade de editar créditos orçamentários desde que siga um rol de critérios. O mais importante deles para o debate é ser compatível com a meta de resultado primário estabelecido pela LDO. Tecnicamente, os créditos orçamentários de despesas discricionárias não comprometem a meta do primário, dado que sua execução é limitada pelos decretos de contingenciamento. No caso dos créditos orçamentários de despesas obrigatórias, essa verificação é feita de acordo com o estabelecido na LDO, no seu art. 52.

Assim, a abertura de crédito suplementar para fazer frente a uma despesa obrigatória não impacta a meta de resultado primário, aferida anualmente, pois será necessariamente considerada no relatório bimestral, o que conduzirá, se necessário, ao contingenciamento de despesas discricionárias suficientes para que se garanta o atingimento daquela meta.

"PareOGolpe" – Você teria como avaliar as chances de haver ou não impeachment, a partir dos dados e argumentos alegados pela acusação?

Leandro – O que vai definir se haverá impeachment ou não é a mídia, na sua seletividade de explorar atos e denúncias que estão recaindo sobre o vice-presidente e sua equipe. Não será pelos argumentos técnicos. Os senadores podem absolver a Presidenta por seu comprometimento com novas eleições e se entenderem que o governo de Michel Temer não representa uma saída para o Brasil, ou não conseguir atender os interesses em jogo no Brasil.

"PareOGolpe" – Afinal de contas, quais crimes de responsabilidade a presidenta Dilma é acusada?

Leandro – Apenas posso dizer que, no caso dos créditos orçamentários, não houve crime por parte dos técnicos.

"PareOGolpe" – Na sua opinião, os depoimentos de Ciro Gomes e Luiz Bresser irão ajudar na defesa do impeachment de Dilma?

Leandro – Creio que sim. O julgamento é político, e os dois personagens sabem dialogar muito bem nesse ambiente.

"PareOGolpe" – A inclusão das gravações de Sérgio Machado mudariam alguma coisa? Avalie a medida do ministro em não autorizar nos autos?

Leandro – Creio que, mesmo ausente dos autos, elas serão consideradas na tomada de decisão dos senadores. A cada nova denúncia, a cada novo vazamento, novos motivos para o impeachment vão se revelando e a parte técnica parece mais uma desculpa necessária que foi usada para dar sustentação, ainda que frágil, ao processo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247