Passista barrada no carnaval por tatuagem de Bolsonaro diz que não o apoia mais

"Parei e pensei: 'O que estou fazendo da minha vida?'", desabafou em entrevista a modelo Erika Canela, revelando ainda que, após a polêmica com a tatuagem, resolveu fazer greve de sexo, parar de beber e se dedicar aos estudos

Érika Canela
Érika Canela (Foto: Reprodução/Instagram)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - A modelo Érika Canela entrou para o hall dos arrependidos de terem apoiado o presidente Jair Bolsonaro. Vencedora do concurso “Miss Bumbum” em 2016, a jovem foi barrada do desfile de Carnaval da Unidos de Vila Maria em São Paulo, no ano passado, por conta de uma tatuagem que fez em homenagem ao capitão da reserva.

“Ele deveria pensar mais antes de falar. Deveria se portar melhor como presidente. Isso é o que mais me decepcionou. Ele fala coisas sem necessidade. Tenho a tatuagem ainda, não vou apagar agora porque não me incomoda, mas talvez um dia eu apague sim”, disse. 

Leia mais na Fórum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247