Pastor Ariovaldo desabafa sobre indiferença na pandemia: “Meu Deus, o meu povo se acostumou com a morte”

“O povo parece que se contentou com o fato de que irá morrer mesmo. E quando eu falo povo, são os mais vulneráveis, pretos, pretas e pobres. Isso é assustador, uma letargia sem fim”, desabafou o pastor Ariovaldo Ramos. Assista na TV 247

Pastor Ariovaldo desabafa, diante da indiferença: "Meu Deus, o meu povo se acostumou com a morte"
Pastor Ariovaldo desabafa, diante da indiferença: "Meu Deus, o meu povo se acostumou com a morte" (Foto: brasil247 | REUTERS/Lucas Landau)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Estou chocado. Essa letargia no combate ao vírus me assusta. O estado e seus entes não reagem”. O desabafo é do pastor Ariovaldo Ramos, líder da Comunidade Cristã Renovada e um dos fundadores da Frente de Evangélicos Pelo Estado de Direito. Em participação no programa Giro das 11, o líder espiritual constatou, emocionado, que “o povo parece que se contentou com o fato de que irá morrer mesmo".

“O comportamento do povo esperando a morte é de uma resignação incompreensível. Todo mundo deveria estar fazendo panelaços, tuitaços, com toda sorte de reação, mas não há nenhuma. Estados assistindo mortes, subnotificações, falta de leitos, remédios e ninguém reage”, acrescentou. 

Ariovaldo também ressaltou em sua fala que “a barbárie desse governo entrou no coração do povo brasileiro". "É lastimável, nem as religiões são capazes de protestar contra os demandos desse presidente", concluiu Ariovaldo. 

Inscreva-se na TV 247 e confira:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email