PF cumpre mandados em endereços ligados a Wassef, ex-advogado do clã Bolsonaro

Operação da PF deflagrada no início da manhã desta quarta-feira (9) contra escritórios de advocacia tem o advogado Frederick Wassef como um dos alvos. Segundo a denúncia, os escritórios e outras empresas são investigados por desvios de cerca de R$ 355 milhões do Sistema S

Frederick Wassef
Frederick Wassef (Foto: Globo News/Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A operação da Polícia Federal deflagrada no início da manhã desta quarta-feira (9) contra escritórios de advocacia tem o advogado Frederick Wassef como um dos alvos. Agentes da PF estão realizado buscas em endereços ligados a Wassef, que já foi advogado da família Bolsonaro e escondeu o ex-assessor da família Fabrício Queiroz. 

Os mandados foram expedidos pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, e também miram os escritórios da mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo, de Tiago Cedraz e de Cesar Asfor Rocha, além do de Cristiano Zanin Martins, advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Segundo a denúncia, os escritórios e outras empresas são investigados por desvios de cerca de R$ 355 milhões do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) e da Federação do Comércio (Fecomércio/RJ) que teriam acontecido entre 2012 e 2018.

Wassef foi citado na delação do ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz. Em julho deste ano, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou que o escritório de Wassef teria recebido R$ 2, 6 milhões da Nagib Eluf Sociedade de Advogados. 

Segundo reportagem do jornal O Globo, o escritório foi contratado por Orlando Diniz que em seguida teria subcontratado Wassef para supostamente atender casos de falsificação de documentos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247