PF prende quatro 'hackers' suspeitos de invadir celular de Moro

Polícia Federal prendeu nesta tarde quatro pessoas suspeitas de de envolvimento na invasão de celulares de Sergio Moro e de procuradores da Lava Jato; prisões ocorreram em São Paulo, Ribeirão Preto e Araraquara; operação foi autorizada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília

247 - A Polícia Federal prendeu nesta nesta terça-feira (23) quatro pessoas no interior de São Paulo, suspeitas de envolvimento da invasão de celulares do ministro Sergio Moro (Justiça) e de procuradores da Operação Lava Jato. 

Na Operação Spoofing, a PF cumpriu quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão em São Paulo, em Araraquara e Ribeirão Preto. “As investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados”, informou a PF.

Spoofing é um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é. A operação mira uma ‘organização criminosa que praticava crimes cibernéticos’.

A narrativa de um hacker que teria invadido os delulares do então juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato foi divulgada depois das revelações do site The Intercept Brasil, que mostrou ao País e ao mundo o conluio formado entre juiz e procuradores em várias ações da Lava Jatro, incluindo a ação que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Leia também matéria da Agência Brasil sobre o assunto:

Policiais federais detiveram hoje (23), no estado de São Paulo, quatro suspeitos de acessar, sem autorização, o telefone celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Os detidos também são suspeitos de terem interceptado e divulgado parte das comunicações do ministro.

Em nota, a Polícia Federal se limitou a informar que os quatro suspeitos foram detidos em caráter temporário nas cidades de Araraquara, São Paulo e Ribeirão Preto e integram uma organização criminosa que pratica crimes cibernéticos. Também foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão.

A operação foi batizada de Spoofing, expressão relativa a um tipo de falsificação tecnológica, que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.

Ainda de acordo com a PF, as investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados. Procurado, o ministro Sergio Moro ainda não se pronunciou sobre o assunto.

A assessoria da PF informou que, por ora, não fornecerá detalhes a fim de não atrapalhar as investigações.

No começo de junho, o Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que hackers tinham tentado invadir o telefone celular de Moro. De acordo com a pasta, o ministro só percebeu a tentativa no dia 4 de junho, quando recebeu uma ligação do seu próprio número. Após a chamada, Moro recebeu novos contatos por meio do aplicativo de mensagens Telegram, que o ministro afirma que já não usava há cerca de dois anos. Imediatamente, o ministrou abandonou a linha e acionou a Polícia Federal.

Dias depois, trechos de mensagens que o ministro trocou com procuradores da força-tarefa da Lava Jato, do Ministério Público Federal (MPF), passaram a ser divulgados por veículos de imprensa, principalmente, pelo site The Intercept Brasil. Segundo o site, os arquivos foram entregues por uma fonte anônima.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247