PF investiga grampo da Lava Jato na cela de Youssef

A PF ouviu o doleiro Alberto Youssef há poucas semanas, em São Paulo, sobre a instalação de um grampo ilegal na cela dele, em Curitiba, em 2014; a notícia do grampo não é nova, mas as investigações foram reabertas na esteira das revelações da Vaza Jato; quando era juiz da Lava-Jato, Moro ignorou a denúncia sobre o grampo; há indícios de que a propria operação pode ter plantado o grampo na cela

(Foto: Câmara | Lula Marques | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Federal ouviu o doleiro Alberto Youssef há poucas semanas,  em São Paulo, sobre a instalação de um grampo ilegal na cela dele, em Curitiba, em 2014; a notícia do grampo não é nova, mas as investigações foram reabertas na esteira das revelações da Vaza Jato. Quando era juiz da Lava-Jato, Moro ignorou a denúncia sobre o grampo; há indícios de que a propria operação pode ter plantado o grampo na cela. A informação é do  blog da Bela Megale

Youssef é um dos primeiros delatores da Lava-Jato. Cinco anos depois, as apurações sobre o grampo encontrado pelo doleiro na cadeia não terminaram, assim como todas as investigações da PF sobre ilegalidades cometidas ao longo dos anos pela operação de Curitia. Em depoimento, um agente da PF disse ter instalado o grampo no local em 2014 e que o objetivo era, efetivamente, vigiar Youssef. A PF passou a investigar o caso, que segue sem conclusão. 

Na época, Moro era o juiz da Lava-Jato e ignorou a  denúncia. Atualmente, ele é chefe da pasta à qual a PF está subordinada. Se vier a ser comprovado que a instalação do aparelho ocorreu quando a Lava-Jato estava sob sua tutela, Moro pode ter novos problemas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email