PF prende seis por fabricação de moedas falsas no Ceará

Bando era responsvel pela produo de R$ 300 mil falsos por ms, o correspondente a 20% do montante de moeda falsa que circula no Pas

www.brasil247.com - PF prende seis por fabricação de moedas falsas no Ceará
PF prende seis por fabricação de moedas falsas no Ceará (Foto: Divulgação)


247 - A Polícia Federal no Ceará deflagrou na manhã de hoje, 1º de dezembro, a Operação Mustache, com o objetivo de deflagrar uma quadrilha especializada na fabricação de moeda falsa. Após dois meses de investigações, a PF localizou o estabelecimento que fabricava as moedas falsas, que eram distribuídas para todo o País. Estima-se que a quadrilha era responsável pela produção de até R$ 300 mil falsos por mês, o que corresponderia a 20% do montante de moeda falsa que circula no país. A operação consistiu no cumprimento de cinco mandados de prisão preventiva e cinco mandados de busca e apreensão. Uma sexta pessoa foi presa em flagrante nesta manhã.

A PF realiza perícia no maquinário responsável pela produção da quadrilha. Todos os apetrechos serão apreendidos. Uma grande quantidade de dinheiro falso foi encontrada no local. Dependendo da participação, os investigados responderão pelos crimes de moeda falsa, formação de quadrilha, falsificação de documento público e uso de documento falso. Há também incidência do crime de tráfico de drogas em virtude da apreensão de meio quilo de cocaína. As penas podem ultrapassar quinze anos de reclusão. Com informações da assessoria de imprensa da Polífica Federal.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email