PF tentou transferir delegado responsável pela investigação que prendeu Milton Ribeiro

Cúpula da PF cogitou transferir o delegado Bruno Calandrini do setor de inquéritos especiais para a Divisão de Repressão a Crimes Cibernéticos

www.brasil247.com - Milton Ribeiro e Bruno Calandrini
Milton Ribeiro e Bruno Calandrini (Foto: ABr | Divulgação)


247 - A cúpula da Polícia Federal (PF) cogitou transferir o delegado Bruno Calandrini, responsável pelas investigações que levaram o ex-ministro Milton Ribeiro à prisão, do setor de inquéritos especiais da PF, que investiga casos envolvendo autoridades, para a Divisão de Repressão a Crimes Cibernéticos. 

Segundo a coluna do jornalista Rodrigo Rangel, do Metrópoles, a transferência estava no radar da direção da corporação até a última quinta-feira (23), um dia após a operação Acesso Pago, que prendeu o ex-ministro e pastores suspeitos de intermediarem verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) mediante o recebimento de propinas, ter sido deflagrada.  

Calandrini virou o pivô de uma crise interna na Polícia Federal ao apontar a interferência de superiores na condução do inquérito sobre o escândalo no Ministério da Educação e no que qualificou como “tratamento diferenciado” concedido ao ex-ministro. 

Na sexta-feira (24), o Ministério Público Federal corroborou as afirmações do delegado e viu indícios de que Jair Bolsonaro pode ter interferido na investigação. A parte do inquérito sobre este caso foi enviado para o Supremo Tribunal Federal (STF) em função do foro privilegiado do atual ocupante do Palácio do Planalto. 

A PF se recusou a esclarecer as razões pelas quais cogitou transferir o delegado. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email