Pfizer diz que governo brasileiro não aceita demandas para adquirir vacinas

A farmacêutica impôs exigências severas, como a renúncia da soberania sobre ativos no exterior para garantir o pagamento e a responsabilização do governo por eventuais efeitos adversos da vacina. O Senado trabalha para garantir a compra, mas esbarra na intransigência de Bolsonaro e Pazuello

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Executivos da Pfizer envolvidos na negociação com o governo brasileiro pela compra de vacinas contra a Covid-19 afirmaram a senadores que suas exigências de garantia vêm sendo fortemente resistidas.

O governo brasileiro se recusa a aceitar as demandas da farmacêutica, que, como consta no contrato, busca responsabilizar as autoridades locais por eventuais efeitos adversos do imunizante e fazer com que a soberania sobre ativos no exterior seja renunciada para garantir o pagamento das doses. 

A Pfizer também pede a criação de um fundo garantidor no exterior.

Na América Latina, o Chile aceitou as propostas, e Brasil, Venezuela e Argentina recusaram.

As informações são da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) encabeça a iniciativa de tentar contornar os obstáculos, tendo apresentado uma emenda à medida provisória sobre a importação de vacinas. A proposta não descarta a responsabilidade judicial do governo brasileiro.

O Ministério da Saúde reforçou o discurso do Planalto, revelando no último domingo (21) que as negociações estão travadas "por falta de flexibilidade das empresas".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email