PGR diz que youtubers bolsonaristas lucraram com discursos de Bolsonaro em atos antidemocráticos

De acordo com o procurador, dois canais bolsonaristas do Youtube, o "Folha Política" e o "Foco do Brasil", podem ter embolsado até R$ 157 mil com transmissões de discursos de Jair Bolsonaro em protestos do gênero

Bolsonaro participa de ato por intervenção militar
Bolsonaro participa de ato por intervenção militar (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O subprocurador-geral da República, Humberto Jacques, que atua no inquérito que apura o financiamento de protestos antidemocráticos, levantou os ganhos a partir da monetização dos vídeos de youtubers participantes e entusiastas dessas manifestações.

De acordo com o procurador, dois canais bolsonaristas do Youtube, o "Folha Política" e o "Foco do Brasil", podem ter embolsado até R$ 157 mil com transmissões de discursos de Jair Bolsonaro em protestos do gênero. A informação é o colunista Lauro Jardim.

Somente a "Folha Política" pode ter faturado entre US$ 6 mil e US$ 11 mil ao exibir o que disse Bolsonaro durante a manifestação do dia 3 de maio.

Já o "Foco do Brasil", segundo a PGR, faturou algo entre US$ 7,55 mil e US$ 18 mil com uma transmissão feita no dia 19 de abril.

"Com o objetivo de lucrar, estes canais, que alcançam um universo de milhões de pessoas, potencializam ao máximo a retórica da distinção amigo-inimigo, dando impulso, assim, a insurgências que acabam efetivamente se materializando na vida real, e alimentando novamente toda a cadeia de mensagens e obtenção de recursos financeiros", disse o procurador.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247