Picciani: PMDB pode retirar indicações se governo mudar oferta

O líder do PMDB na Câmara Federal, Leonardo Picciani (RJ), disse que poderá retirar as indicações feitas pelo partido caso a presidente Dilma Rousseff resolva alterar a oferta de ministérios que o partido deve ocupar com a reforma administrativa; "Se modificar, vou tirar todas as indicações e reunir a bancada novamente", disse Picciani; ameaça vem do fato do governo estar reavaliando a criação do Ministério de Infraestrutura, cujo nome para comandar a pasta seria da cota da bancada do PMDB na Câmara

O líder do PMDB na Câmara Federal, Leonardo Picciani (RJ), disse que poderá retirar as indicações feitas pelo partido caso a presidente Dilma Rousseff resolva alterar a oferta de ministérios que o partido deve ocupar com a reforma administrativa; "Se modificar, vou tirar todas as indicações e reunir a bancada novamente", disse Picciani; ameaça vem do fato do governo estar reavaliando a criação do Ministério de Infraestrutura, cujo nome para comandar a pasta seria da cota da bancada do PMDB na Câmara
O líder do PMDB na Câmara Federal, Leonardo Picciani (RJ), disse que poderá retirar as indicações feitas pelo partido caso a presidente Dilma Rousseff resolva alterar a oferta de ministérios que o partido deve ocupar com a reforma administrativa; "Se modificar, vou tirar todas as indicações e reunir a bancada novamente", disse Picciani; ameaça vem do fato do governo estar reavaliando a criação do Ministério de Infraestrutura, cujo nome para comandar a pasta seria da cota da bancada do PMDB na Câmara (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PMDB na Câmara Federal, Leonardo Picciani (RJ), disse que poderá retirar todas as indicações já feitas pelo partido caso a presidente Dilma Rousseff resolva fazer alguma alteração na oferta dos ministérios que o partido deve ocupar com a reforma administrativa que está em curso.

"Se modificar, vou tirar todas as indicações e reunir a bancada novamente", disse Picciani em entrevista ao Estadão. Acordo apontava que o PMDB ficaria com os ministérios da Saúde e Infraestrutura, sendo que esta pasta seria criada a partir da fusão entre Aviação Civil e Portos.

Ameaça de Picciani deriva do fato do governo estar reavaliando a criação do Ministério de Infraestrutura para manter Eliseu Padilha na Aviação Civil. Helder Barbalho seria alocado na pasta de Portos, já que o Ministério da Pesca seria abraçado pelo da Agricultura, que tem no comando a ministra peemedebista Kátia Abreu.

Outra reclamação de Picciani reside no fato do governo querer computar como sendo indicação da bancada do PMDB a manutenção do ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Picciani já adiantou que Alves só entra na sua cota se puder indicar nomes para três ministérios.

Nesta quarta-feira (23) a lista contendo os nomes dos indicados foi entregue à presidente Dilma Rousseff. Os indicados pelo PMDB para ocupar a pasta da Saúde foram Saraiva Felipe (MG), Manoel Júnior (PB) e Marcelo Castro (PI).Para a infraestrutura os nomes cotados são os de José Priante (PA), Mauro Lopes (MG), Celso Pansera (RJ) e Newton Cardoso Júnior (MG)

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247