Plebiscito: nova chance para dizer não às armas

Proposta foi formalizada em Braslia pelopresidente do Senado,Jos Sarney; data o primeiro domingo de outubro, dia 2; maioria dos polticos apia a proposta do desarmamento

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Os eleitores brasileiros devem ir às urnas no primeiro domingo de outubro, dia 2, para responder à seguinte pergunta: “O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?”.

Esta é a proposta para a realização de plebiscito que será transformada em decreto legislativo, segundo informou em Brasília o presidente do Senado, José Sarney. “Não será um referendo, mas um plebiscito. Referendo seria para aprovar algo que já existe e o plebiscito é para consultar se podemos ou não modificar a lei que já existe tornando livre a venda de armas”, explicou. Estão sendo recolhidas as 27 assinaturas necessárias para que a ideia se transforme em projeto. Em seguida, irá a voto na Câmara dos Deputados, depois no próprio Senado e terá, ainda, de receber a sanção da presidente Dilma Rousseff. O mais provável é que esse circuito seja cumprido de maneira veloz.

“A população foi induzida a erro (no plebiscito em que a liberação da venda de armas foi aprovada por 64% dos votos) porque estamos verificando que a venda de armas no país de nenhum modo alcançou o que julgavam, garantir segurança ao cidadão”, continuou Sarney. “Ao contrário, torna-o mais vulnerável porque cada um que tem arma passa a ser objeto de procura dos bandidos e infratores para com essa arma cometer crimes que a sociedade tanto repudia”.

O massacre do Realengo, em que, na quinta-feira 7, 12 crianças foram mortas a tiros por Wellington Menezes da Silveira, na escola municipal Tasso da Silveira, no Rio, é o principal motivo para a realização do plebiscito.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email