Pochmann: como será garantido o atual regime constitucional no pós-eleição?

"Como será garantido o atual regime constitucional no pós-eleição diante de candidatura que ameaça repetir Aécio de 2014? Assim, o Brasil de 2018 corre o sério risco verificado na eleição de 1955, quando a posse de JK, o presidente eleito, só foi assegurada pelo Marechal Lott", disse o economista

Pochmann: como será garantido o atual regime constitucional no pós-eleição?
Pochmann: como será garantido o atual regime constitucional no pós-eleição? (Foto: Guilherme Santos - Sul 21)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O economista Márcio Pochmann usou sua conta no Twitter para questionar se a apuração final da eleição presidencial deste ano será respeitada, após o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) dizer que não aceitaria outro resultado que não fosse a vitória dele e depois de o general Hamilton Mourão (PRTB), vice de Bolsonaro, cogitar a possibilidade de um autogolpe do novo presidente da República em caso de legitimidade duvidosa.

"Como será garantido o atual regime constitucional no pós-eleição diante de candidatura que ameaça repetir Aécio de 2014? Assim, o Brasil de 2018 corre o sério risco verificado na eleição de 1955, quando a posse de JK, o presidente eleito, só foi assegurada pelo Marechal Lott", escreveu o estudioso no Twitter.

Em 1955, o general Henrique Teixeira Lott impediu o golpe militar que setores conservadores das Forças Armadas e lideranças da UDN armavam para impedir a posse do presidente eleito Juscelino Kubitschek e o vice João Goulart.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247