Pochmann: proposta de Bolsonaro torna injusta a arrecadação

"Programa de Bolsonaro, com a defesa da unificação do Imposto de Renda (IR), implica aumentar o tributo para quem recebe até 5 salários mínimos mensais, tornando mais injusta a arrecadação. Programa Lula de governo propõe a isenção do IR para quem recebe hoje até R$ 4,7 mil por mês", afirmou o economista Márcio Pochmann

Pochmann: proposta de Bolsonaro torna injusta a arrecadação
Pochmann: proposta de Bolsonaro torna injusta a arrecadação (Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil)

247 - O economista Márcio Pochmann criticou a unificação da alíquota do Imposto de Renda (IR) em 20% proposta pelo economista Paulo Guedes, da equipe do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

"Programa de Bolsonaro, com a defesa da unificação do Imposto de Renda (IR), implica aumentar o tributo para quem recebe até 5 salários mínimos mensais, tornando mais injusta a arrecadação. Programa Lula de governo propõe a isenção do IR para quem recebe hoje até R$ 4,7 mil por mês", escreveu o estudioso em sua conta no Twitter.

Atualmente, quem ganha até R$ 1.900 está isento do IR no Brasil. A partir daí o IR retido nos salários é cobrado por faixas que vão de 7,5% a 27,5%, cobrados de ganhos a partir de R$ 4.664. A proposta da equipe de Bolsonaro torna o IR mais caro para quem ganha menos e menor para os salários ou rendimentos maiores.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247