Polícia prende quatro por preços abusivos de gasolina

Quatro postos tambm foram fechados; um deles vendia o combustvel a R$ 4,50, enquanto o recomendado pela ANP varia entre R$ 2,39 e R$ 2,89; paralisao de caminhoneiros provocou caos na distribuio do petrleo na capital

Polícia prende quatro por preços abusivos de gasolina
Polícia prende quatro por preços abusivos de gasolina (Foto: HELVIO ROMERO/AGÊNCIA ESTADO)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A polícia prendeu na manhã de hoje quatro pessoas acusadas de vender gasolina com preços abusivos em São Paulo. Os postos onde os acusados trabalham também foram fechados. A falta do combustível na cidade ocorre por conta da paralisação de caminhoneiros que transportam o produto e abastecem a região metropolitana da capital, iniciada na manhã de segunda-feira e encerrada hoje. Os protestos se devem à restrição de caminhões nos horários de pico pela Marginal Tietê e em outras 25 vias do município.

O Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania revelou que um dos postos fechados vendia a gasolina a R$ 4,50, enquanto o preço recomendado pela Agência Nacional de Petróleo varia entre R$ 2,39 e R$ 2,89. Em seu site, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro) publicou o seginte alerta direcionado ao revendedor: “Esclarecemos que aumentos abusivos de preços em razão desse tipo de situação pode caracterizar, segundo a legislação brasileira, crime contra a ordem econômica e as relações de consumo”.

Em entrevista concedida à rádio Estadão ESPN, o presidente do Sindicato, José A. Paiva Gouvea, afirmou que serão necessários de quatro a cinco dias para a normalização do abastecimento de combustíveis, apesar do fim da paralisação. O consumidor que reside na cidade pode denunciar ao Procon-SP a venda do combustível com preços abusivos. A denúncia pode ser feita pelo telefone 151 e o Procon informa ser importante exigir a nota fiscal ao posto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email