Presidente da CCJ, Bia Kicis é condenada a pagar R$ 41,8 mil por divulgar fake news contra Jean Wyllys

Ação foi movida após a deputada bolsonarista Bia Kicis publicar nas redes sociais uma notícia falsa associando o ex-deputado Jean Wyllys à tentativa de homicídio feita por Adélio Bispo contra Jair Bolsonaro

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


247 - A deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), recém-eleita presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, foi condenada a indenizar em R$ 41,8 mil o ex-deputado Jean Wyllys, por ter divulgado uma fake news em que o associava à tentativa de homicídio contra Jair Bolsonaro em 2018. A informação é do jornal O Globo

Ação foi movida após Bia Kicis publicar nas redes sociais uma notícia falsa com as fotos de Wyllys e de Adélio Bispo, responsável pelo atentado à faca contra Jair Bolsonaro durante um ato de campanha em Minas Gerais na eleição de 2018. 

“Urgente. Em depoimento à PF, testemunha releva que Adélio Bispo esteve no gabinete de Jean Wyllys”, dizia o texto embaixo das imagens. Na postagem, ela também pediu que os seguidores compartilhassem em massa a fake news. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o juiz Fernando Rocha Lovisi, Bia Kicis “extrapolou seu direito ao caluniar o autor (Jean Wyllys), sem qualquer base verossímil, de ter participado da tentativa de homicídio do Presidente da República”. Ela  ainda pode recorrer da decisão do 5º Juizado Especial Cível do Rio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email