Presidente do Inep nega ter tido acesso à prova e diz que troca de questões durante a montagem é normal

Danilo Dupas Ribeiro foi convidado pelo Senado a prestar esclarecimentos sobre servidores que pediram exoneração. Alguns afirmam que há pressão para alterar a prova por motivos ideológicos. Primeira etapa do exame ocorre no domingo

www.brasil247.com - Fachada do Inep
Fachada do Inep (Foto: Pillar Pedreira/Agência Senado)


247 - O presidente do órgão responsável pela elaboração e aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi convidado a prestar esclarecimentos sobre servidores que pediram exoneração em massa na semana passada. Parte deles relata pressão ideológica na formulação do Enem. A prova está marcada para 21 e 28 de novembro. A reportagem é do portal G1.

Sobre as acusações de ter supostamente barrado itens que comporiam o exame, Dupas disse que as provas foram montadas pela equipe técnica e que é comum a troca de questões durante a montagem para garantir o nível do exame.

"As provas foram montadas pela equipe técnica, seguindo a mitologia que vem sendo adotada, a teoria de resposta ao item (TRI). A prova possui um conjunto de questões de diversos níveis de dificuldade que são calibradas para garantir um certo nível de prova. É comum, portanto, que durante a montagem da prova, tenha itens que são retirados e itens que são colocados, justamente para garantir um nivelamento das provas"

Dupas também comentou sobre a afirmação feita pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira (15) de que as questões do Enem começavam a "ter a cara do governo" e declarou que não houve interferência da presidência na formulação do Enem.

"Não houve interferência alguma do Palácio do Planalto, não houve. A cara do nosso governo -- da nossa gestão, no caso do senhor ministro Milton Ribeiro --, é seriedade e transparência. Não houve interferência alguma do Palácio do Planalto em decidir ou escolher qualquer item da prova ou tema da redação."

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:


O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email