Previdência: parte da bancada do PSL ameaça votar contra Guedes

Com a leitura do relatório da reforma da Previdência marcada para esta terça-feira (2), o governo corre o risco de ver sua base desidratar devido à falta da inserção de destaques com regras mais brandas para a aposentadoria de policiais civis e federais; somente o PSL pode registar até 22 votos contrários diante da insistência do ministro da Economia, Paulo Guedes, em manter o texto da proposta sem alterações

(Foto: Câmara | Reuters | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Apesar da insistência do ministro da Economia, Paulo Guedes, em manter o texto da proposta da reforma da Previdência sem alterações, o governo corre o risco de ver sua base desidratar devido à falta da inserção de destaques que visam beneficiar policiais civis e federais com regras diferenciadas para a aposentadoria. O relatório da reforma, cada vez mais distante da proposta original, deverá ser lido nesta terça-feira na Câmara, porém, não encontra consenso nem mesmo no PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro. A oposição ao projeto, rejeitado pela maioria dos brasileiros, também vem crescendo no Congresso.  

De acordo com a coluna da Jornalista Mônica Bergamo, a bancada do PSL poderá registrar até 22 votos contrários ao projeto devido a recusa de Guedes em abrandar as regras para a aposentadoria dos policiais civis e federais. Até a noite desta segunda-feira (1), o PSL não havia chegado a um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), sobre as alterações para as categorias de segurança pública. 

Moreira é contra qualquer alteração neste sentido e afirmou que "tem setores que estão bem preservados. Não há necessidade nesse assunto (profissionais da área de segurança) de qualquer concessão”. 

Segundo o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, os diálogos vão continuar visando se chegar a um acordo. "Ainda estamos formulando o acordo. Não queremos embaralhar a negociação", afirmou. 

O coordenador da comissão da reforma da Previdência, deputado Alexandre Frota (PSL-SP), admitiu as dificuldades do governo que, segundo ele, “não reúne hoje nem 50 votos na Câmara” e que se a reforma passar será “uma obra do Rodrigo Maia [presidente da Casa]”.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247