Procurador pede suspensão de qualquer investigação contra Glenn Greenwald

Procurador Lucas Rocha Furtado, do Ministério Público no TCU, pediu que o órgão de controle suspenda a produção de qualquer relatório de atividade financeira do jornalista Glenn Greenwald que esteja em andamento no âmbito do Coaf; Furtado também solicitou a realização imediata de uma inspeção para verificar se o órgão está ou não investigando o jornalista

(Foto: Gustavo Bezerra/PT na Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O procurador Lucas Rocha Furtado, do Ministério Público no Tribunal de Contas da União (TCU), pediu que o órgão de controle suspenda a produção de qualquer relatório de atividade financeira do jornalista Glenn Greenwald que esteja em andamento por parte do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Segundo o blog do jornalista Guilherme Amado, Furtado também solicitou a realização imediata de uma inspeção Coaf para verificar se o órgão está ou não investigando o jornalista, que é editor do site The Intercept Brasil, que revelou as mensagens trocadas entre o ministro da Justiça, Sérgio Moro, da Justiça, com procuradores da Operação Lava Jato quando ele era juiz.

Para o procurador, a reposta do presidente substituto do Coaf, Jorge Luiz Caetano, para o TCU sobre o assunto foi inconclusiva, já que Caetano  não esclareceu, porém, se fez um Relatório de Investigação Financeira (RIF) sobre Greenwald nem se recebeu qualquer "elemento de informação" da Polícia federal que justificasse uma investigação contra o jornalista (leia no Brasil 247). 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email