Procuradores encontraram "batom na cueca" em doação da Odebrecht para FHC e decidiram não fazer nada

Outra bomba nas conversas da Lava Jato a que a defesa de Lula teve acesso. Procuradores dizem que encontraram prova de crime de Fernando Henrique Cardoso e decidem nada fazer

(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em uma das mensagens obtidas pela defesa de Lula, os procuradores da Lava Jato em Curitiba dizem ter encontrado "batom na cueca" no pedido de dinheiro feito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso à empreiteira. 

No entanto, a decisão foi de não fazer nada, uma vez que FHC foi um dos articuladores do golpe de 2016, que teve como objetivo não apenas derrubar o PT, como também entregar o pré-sal e liquidar a soberania brasileira.

Em uma conversa com outros procuradores em 17 de novembro de 2015, o procurador Roberson Pozzobon sugere que o MPF deveria investigar o Instituto FHC "concomitantemente" ao Instituto Lula e à LILS (empresa de palestras de Lula). Segundo o procurador, a ação responderia às críticas que a Lava Jato vinha sofrendo por, supostamente, atingir apenas alvos petistas.

Pozzobom fala sobre "fraturas expostas" no Instituto FHC que poderiam embasar as investigações. As "fraturas" são e-mails trocados entre Anna Mantovani, funcionária do ex-presidente, Manuel Diaz, representante da Associação Petroquímica e Química da Argentina, e o empresário Pedro Longhi a respeito de uma doação da Braskem, braço petroquímico da Odebrecht, ao instituto.

Mantovani escreve sobre "opções" de doação que a empresa poderia adotar, excluindo a possibilidade de palestra do ex-presidente. "Não podemos citar que a prestação de serviço será uma palestra do Presidente", escreve a funcionária.

“Querem mais batom na cueca?”, perguntou o procurador. Nada foi feito sobre o assunto, que foi deixado de lado pela Lava Jato.

A conversa está no relatório enviado pelo perito Claudio Wagner à defesa de Lula. O tema "batom na cueca" está à página 27. Veja a íntegra do relatório:

 Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email