Procuradores tratavam jornalistas parceiros como “abutres”

Dallagnol indaga aos colegas se não seria o caso de “jogar esta informação para os jornalistas abutres para fazer o papel deles”

Deltan Dallagnol
Deltan Dallagnol (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em um dos diálogos da Lava Jato, que vieram a público após decisão do ministro Ricardo Lewandowski, procuradores da força-tarefa de Curitiba tratam jornalistas parceiros da operação como “abutres”.

A mensagem foi de Deltan Dallagnol, ao falar da espionagem nos telefones do escritório do advogado Roberto Teixeira, da defesa do ex-presidente Lula.

Ele indaga aos colegas se não seria o caso de “jogar esta informação para os jornalistas abutres para fazer o papel deles”. “Com isso, vai ajudar a derrubar o rapaz mais rapidamente”, completa.

Antes, ele havia demonstrado receio sobre as consequências da interceptação telefônica no escritório da defesa de Lula, o que é ilegal e foi fortemente denunciada pelos advogados do ex-presidente.

“Ruim para o caso, probabilisticamente falando. Pode entrar alguém para abafar que escalone o episódio dos grampos para trocar a equipe. Seria bom termos algo definido da apuração do grampo clandestino, e sacramentado, o quanto antes”, escreveu Dallagnol.

Confira o trecho:

dialogos-vazamento

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email