PT começa a estruturar comando da campanha de Lula

Entre os nomes que passarão a integrar o comando de campanha, estão o ex-governador do Piauí Wellington Dias, o senador Jaques Wagner e o ex-ministro Gilberto Carvalho

www.brasil247.com - Lula e Geraldo Alckmin
Lula e Geraldo Alckmin (Foto: Reprodução)


SÃO PAULO (Reuters) - O PT começa, esta semana, a estruturar um comando efetivo da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, depois de cobranças contínuas de aliados e uma crise interna que levou ao afastamento da cúpula da comunicação, com a criação de um conselho político formado por representantes dos partidos da coligação e a volta de antigos amigos de Lula, até o momento alijados da campanha.

Em reuniões na semana passada, a Executiva do partido definiu essa estrutura e nomes que devem fazer parte do comando da campanha, mas ainda é preciso bater o martelo com o próprio Lula.

Entre os nomes que passarão a integrar o comando de campanha, estão o ex-governador do Piauí Wellington Dias, o senador Jaques Wagner e o ex-ministro Gilberto Carvalho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um dos amigos mais antigos de Lula, Carvalho estava afastado da campanha mas, de acordo com uma fonte ouvida pela Reuters, foi chamado pelo presidente e irá cuidar da mobilização social.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estão ainda no grupo os deputados Rui Falcão (SP), Paulo Teixeira (SP) e José Guimarães (PE), o ex-ministro Aloizio Mercadante --hoje presidente da fundação Perseu Abramo e que está coordenando a organização do programa de governo-- e o também ex-ministro Luiz Dulci, responsável pela agenda de eventos de Lula, além do candidato a vice na chapa, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin.

A coordenação-geral deverá ficar a cargo da deputada Gleisi Hoffmann, presidente do partido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A deputada, no entanto, garante que a coordenação também será colegiada.

“Tem que ser colegiada, coletiva, com os presidentes dos partidos. Não pode ser concentrada em uma só se a gente pretende algo potente, algo que faça uma unidade, uma união. Todos têm que se sentir participando. Por isso a gente não formalizou a coordenação de campanha. Você está buscando um movimento e aí o PT sai na frente definindo coordenação de campanha? Os outros só entram para apoiar?”, argumentou.

O conselho político, segundo Gleisi, deverá ser formado não apenas pelos presidentes dos partidos, mas “nomes de relevância política”, que não dirigentes, mas indicados pelas siglas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A estruturação, no entanto, só deve acontecer de fato a partir da próxima semana, depois da oficialização da pré-candidatura. Como mostrou a Reuters, é depois do lançamento, no dia 7, que Lula vai aumentar as viagens e começar de fato a correr o país, como querem os aliados.

Na semana que vem, o ex-presidente passa três dias em Minas Gerais e na semana seguinte vai ao Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No final de maio, estão sendo organizadas viagens também ao Pará e ao Amazonas.

Já o Nordeste está reservado para o início de junho, sem data definida ainda. Até agora fala-se em Alagoas, onde o ex-governador Renan Filho (MDB) estaria trabalhando em uma agenda para o ex-presidente, e Piauí.

“O presidente está querendo uma agenda de segurança alimentar, e estamos trabalhando para que seja no Piauí”, disse Wellington Dias, que vai disputar uma vaga no Senado. Isso porque, em 2003, o programa Fome Zero, uma das marcas sociais do governo de Lula, foi lançado em duas cidades do Estado, Acauã e Guaribas.

ALCKMIN

Uma das definições dos últimos dias é que o ex-governador Geraldo Alckmin irá acompanhar Lula em parte das viagens, como para Minas Gerais. A intenção, segundo Gleisi, é conseguir vincular a imagem de ambos e passar a ideia dessa unidade.

No entanto, a intenção é que Alckmin se dedique a outras viagens e a grupos com que ele tem maior interlocução, como empresários, agronegócio e médicos, cujas organizações de classe romperam com o PT com a criação do programa Mais Médicos, durante o governo de Dilma Rousseff.

“Essa é a lógica da campanha. Depois que você se elege, as pessoas se inibem um pouco, se policiam. Na campanha tem essa parte mais gostosa que você sente mais o povo”, disse Alckmin ao sair de uma reunião de avaliação da campanha, nesta segunda-feira, em São Paulo.

Oficialmente a campanha eleitoral começa apenas em agosto, mas na prática vários políticos que se colocam como pré-candidatos à Presidência já estão trabalhando de olho nas eleições de outubro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email