Quem é Washington Cinel, bilionário ruralista, ex-PM e anfitrião de Bolsonaro

O empresário diz que incentivou o filho a ter armas para usar nas fazendas do clã. As filhas são colecionadoras de arte

Cinel é fundador do Gocil Serviços de Vigilância e Segurança, uma das maiores do Brasil no setor, após resolver uma ocorrência na sede da Rede Globo em Bauru
Cinel é fundador do Gocil Serviços de Vigilância e Segurança, uma das maiores do Brasil no setor, após resolver uma ocorrência na sede da Rede Globo em Bauru (Foto: Gocil Vigilância)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Igor Carvalho, Brasil de Fato - Washington Umberto Cinel nasceu em Reginópolis, interior de São Paulo, é ex-policial militar, ruralista e figurante na aristocracia brasileira. Um bolsonarista à moda da casa, o baixo clero da fidalguia paulista.

Bilionário, o empresário gosta de abrir as portas de sua mansão, de 1,7 mil metros quadrados de área construída, na rua México, no Jardim Europa, bairro rico da zona sul da capital paulista, para receber artistas em eventos beneficientes, como um almoço em prol do Hospital do Câncer de Barretos, ou políticos.

Foi em um dessas reuniões, realizada na última quarta-feira (7), que o nome de Cinel circulou entre os principais portais do país.

Ele foi o anfitrião de um encontro do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com um grupo pequeno de empresários, exatamente na mansão que gosta de ostentar, que já pertenceu ao falecido Antônio Ermírio de Moraes, e que foi adquirida em um leilão no ano de 2015, por R$ 39 milhões.

Cinel é fundador do Gocil Serviços de Vigilância e Segurança Ltda, uma das maiores do Brasil no setor, o que lhe garantiu a alcunha de "rei das terceirizações".

Um dos seus mais generosos contratantes é o governo de São Paulo, que desembolsou, somente em 2020, R$ 68 milhões em contratos com o empresário. A empresa divulgou que seu faturamento no ano passado foi de R$ 1,2 bilhão.

Se os contratos com o governo de São Paulo são recentes, a amizade de Cinel com o governador paulista, João Doria (PSDB), vem de longe. O empresário ficou responsável por passar o chapéu entre amigos ricos para financiar a campanha do tucano em 2018.

Cinel é conselheiro para assuntos de Segurança Pública e um dos fundadores do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), que tem em Doria seu expoente mais ilustre. Em 20 de dezembro de 2019, no Palácio dos Bandeirantes, Cláudia Cinel, companheira de Washington, foi responsável por oferecer o jantar de natal para o casal Doria.

Em 2017, a dupla expandiu para além do Brasil a parceria e fundaram o Lide Paraguay. No país vizinho, começaram o lobby para a recepção de empresários brasileiros e Cinel fundou a Villa Oliva Rice, uma das maiores produtoras de arroz em território paraguaio.

A festa de inauguração da empresa contou com a presença do então presidente Horácio Cartes. 

A Villa Olivia Rice fornece arroz para a Camil e Guacira e ocupa uma área de 20 mil hectares no Paraguai. Moradores da região acusam a empresa brasileira de desviar o curso de rios para irrigarem a lavoura. 

Carreira e família

Cinel se formou em 1976 na Academia de Polícia do Barro Branco. Já nas ruas, foi chamado para atender uma ocorrência na sede da Rede Globo em Bauru. Lá, foi contratado pela emissora para fazer segurança privada. Foi quando fundou a Gocil.

É comum, embora possa ser ilegal, que ex-policiais militares fundem empresas de vigilância. Porém, Cinel foi além e viu no agronegócio uma possibilidade de expandir.

Hoje, é sócio ou proprietário de diversos empreendimentos no setor, como a Brangus Brasil Agropecuária Ltda, com sede em São Manuel, no interior de São Paulo, onde cria gado da raça Brangus, claro.

Em algumas empresas, como a Mana Imóveis e Empreendimentos Ltda, com sede em Itapuí, também no interior de São Paulo, Washington Cinel é sócio com os quatro filhos: Washington Umberto Cinel Filho, Jessica Luciano Cinel, Victoria Luciano Cinel e Valentina Luciano Cinel.

Com Junior, Cinel tem um episódio que mimetiza o clã Bolsonaro. Em 2019, o empresário, que é defensor do porte de arma para a população, deu uma entrevista em que afirmava que ele e o filho andavam armados. Porém, o herdeiro prefere utilizar o artefato somente nas fazendas da família.

Jessica Cinel é figura comum nos editoriais de moda e arte de algumas revistas . “Eu era meio cafona. Adorava usar peças tradicionais de grandes marcas, como Missoni. Hoje, acho tudo isso muito manjado”, afirma a herdeira de Cinel, em entrevista à revista da jornalista Joyce Pascowitch, em 2018, repleta de imagens em sua mansão. Ela e a irmã, Victoria, são colecionadoras de arte.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email