Questionado pelo MP sobre compra de apartamentos com dinheiro vivo, Flávio responde: 'não me recordo'

Senador Flávio Bolsonaro disse ao MP-RJ não se lembrar de ter pago R$ 310 mil em dinheiro vivo na compra de dois apartamentos no Rio. Promotores identificaram que o vendedor dos imóveis realizou um depósito de R$ 638 mil em espécie no mesmo dia que transação foi efetuada

Senador Flávio Bolsonaro em Brasília
Senador Flávio Bolsonaro em Brasília (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse ao Ministério Público do Rio de Janeiro que não se lembra de ter pago R$ 310 mil em dinheiro vivo a compra de dois apartamentos em Copacabana, em 2012, no Rio de Janeiro. Os promotores, porém, identificaram que vendedor dos imóveis realizou um depósito de R$ 638 mil em espécie em um banco localizado próximo ao cartório onde foi lavrada a escritura e apenas 50 metros da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) . 

Segundo reportagem do jornal O Globo, ao ser questionado pelo promotores do MP-RJ, no âmbito do inquérito que apura a existência de um esquema de “rachadinha” no gabinete do parlamentar na época em que ele ocupava uma cadeira na Alerj, Flávio respondeu: "que eu me recorde, não”. “Se eu não me engano, foi por transferência bancária esse sinal. Cheques. E, no dia, eu paguei as duas salas junto com a minha esposa no próprio cartório”, completou. 

O parlamentar também disse desconhecer o depósito em espécie feito pelo vendedor Glenn Dillard. “Se o cara tinha esse perfil, certamente não devia estar fazendo só isso, né?”, afirmou. Ainda de acordo com o Globo, Dillard não teria feito mais nenhuma outra transação imobiliária naquele semestre. Os imóveis foram revendidos por Flávio Bolsonaro um ano depois por R$ 813 mil.

Neste final de semana, uma outra reportagem apontou que o parlamentar admitiu ter pago R$ 86,7 mil em espécie na compra de 12 salas comerciais em 2008. Ele disse ter pego dinheiro emprestado com Jair Bolsonaro e com um irmão, que não foi identificado. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247