Racha entre Câmara e Governo mantém economia estagnada

Uma disputa de posições entre a equipe econômica do governo Bolsonaro, dirigida por Paulo Guedes, e lideranças políticas da Câmara dos Deputados pode levar a economia a permanecer estagnada, ao aumento do déficit público e da taxa de juros

Jair Bolsonaro e plenário da Câmara dos Deputados
Jair Bolsonaro e plenário da Câmara dos Deputados (Foto: José Cruz/Agência Brasil | Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A equipe econômica do governo quer priorizar a reforma administrativa, em oposição à opinião dominante entre lideranças na Câmara dos Deputados, que focam na reforma tributária.

Esta divergência ocorre num quadro em que a economia continua desarranjada, mesmo após a aprovação da reforma da Previdência. 

Segundo o Painel da Folha de S.Paulo, o governo prioriza a chamada PEC Emergencial, que aumenta o arrocho fiscal e garante o teto de gastos. 

Em entrevista durante sua viagem à Índia, Jair Bolsonaro afirmou que a reforma administrativa está praticamente pronta e pode ser enviada ao Congresso ao mesmo tempo que a tributária.

Bolosnaro e Guedes temem que sem a contenção ainda maior de despesas o teto de gasto explodirá em 2021.  

Prevê-se que já durante 2020, o déficit público vai voltar a crescer, o que pode impactar no aumento das taxas de juros e da dívida. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247