Raquel pede mais 60 dias para investigar senadores do MDB, ministro do TCU e Mantega

No inquérito são investigados por suposta corrupção e lavagem de dinheiro os senadores Dário Berger (SC), Eduardo Braga (AM), Eunício Oliveira (CE), Jader Barbalho (PA), Renan Calheiros (AL) e Valdir Raupp (RO), o ministro do TCU Vital do Rêgo e os ex-ministros Helder Barbalho (MDB-PA) e Guido Mantega (PT-SP)

Raquel pede mais 60 dias para investigar senadores do MDB, ministro do TCU e Mantega
Raquel pede mais 60 dias para investigar senadores do MDB, ministro do TCU e Mantega (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin a prorrogação por 60 dias das investigações sobre um suposto esquema de pagamentos milionários do grupo J&F a parlamentares do MDB. No inquérito são investigados os senadores Dário Berger (SC), Eduardo Braga (AM), Eunício Oliveira (CE), Jader Barbalho (PA), Renan Calheiros (AL) e Valdir Raupp (RO), o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo e os ex-ministros Helder Barbalho (MDB-PA) e Guido Mantega (PT-SP). Estão sendo apuradas suspeitas de prática dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro por essas autoridades em consequência das delações premiadas do executivo Ricardo Saud, da J&F, e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

Raquel Dodge destacou que Machado disse "ter chegado ao seu conhecimento que o Grupo JBS faria doações à bancada do Senado do PMDB no montante aproximado de R$ 40.000.000,00 (quarenta milhões de reais), a pedido do Partido dos Trabalhadores – PT, para as eleições do ano de 2014". Os relatos foram publicados no Blog do Fausto Macedo.

De acordo com a procuradora, Saud afirmou que senadores do MDB receberam R$ 46 milhões a pedido do PT houve pagamento de R$ 46 milhões a senadores do MDB a pedido do PT. A suspeita é a de que, embora muitas doações tenham sido realizadas de forma oficial, seria uma vantagem indevida, uma vez que dirigentes do PT estariam comprando o apoio de emedebistas para as eleições de 2014.

"O conjunto de elementos probatórios até agora arrecadados revelam a absoluta viabilidade da investigação em curso”. “A interrupção prematura desta apuração impedirá, de plano, o exaurimento de hipótese investigativa em exame", observou Raquel.

A chefe da PGR elencou várias providências que ainda não foram realizadas, como os depoimentos de Saud e Machado, a análise de doações eleitorais feitas pelo grupo J&F ao MDB e repassadas a diretórios estaduais, o exame da documentação apresentada pelos delatores e uma pesquisa sobre os quadros societários de empresas que teriam sido utilizadas pelo grupo J&F para intermediação dos repasses.

"Assim, a Procuradoria-Geral da República requer a prorrogação do prazo para a conclusão do inquérito por 60 (sessenta) dias, considerada a existência de diligências pendentes e necessárias ao deslinde das investigações, indicadas na presente manifestação, sem prejuízo de outras reputadas úteis”, escreveu Raquel Dodge.

 

 

 

 

Os políticos negam irregularidades.

Viabilidade. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247