Rebelião em presídio de Manaus deixa cerca de 60 mortos

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, confirmou pelo menos 60 mortes na rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, que liga Manaus a Boa Vista (RR); cerca de 25 corpos já estão no IML (Instituto Médico Legal) da capital do Estado, segundo informou a Polícia Militar; rebelião começou neste domingo (1) e foi motivada por uma briga entre facções criminosas que atuam dentro da unidade prisional

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, confirmou pelo menos 60 mortes na rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, que liga Manaus a Boa Vista (RR); cerca de 25 corpos já estão no IML (Instituto Médico Legal) da capital do Estado, segundo informou a Polícia Militar; rebelião começou neste domingo (1) e foi motivada por uma briga entre facções criminosas que atuam dentro da unidade prisional
O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, confirmou pelo menos 60 mortes na rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, que liga Manaus a Boa Vista (RR); cerca de 25 corpos já estão no IML (Instituto Médico Legal) da capital do Estado, segundo informou a Polícia Militar; rebelião começou neste domingo (1) e foi motivada por uma briga entre facções criminosas que atuam dentro da unidade prisional (Foto: José Barbacena)

247, com Agência Brasil - O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, confirmou pelo menos 50 mortes na rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, localizado no km 8 da BR 174, que liga Manaus a Boa Vista (RR). Cerca de 25 corpos já estão no IML (Instituto Médico Legal) da capital do Estado, segundo informou a Polícia Militar.

A rebelião foi motivada por uma briga entre facções criminosas que atuam dentro da unidade prisional - a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Aliada ao Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, a FDN domina o tráfico de drogas e o interior das unidades prisionais do Amazonas. Desde o segundo semestre de 2015, líderes da facção criminosa amazonense vêm sendo apontados como os principais suspeitos pela morte de integrantes do PCC, grupo que surgiu em São Paulo, mas já está presente em quase todas as unidades da federação.

Além das mortes, 12 agentes prisionais foram feitos reféns. Na manhã desta segunda-feira (2), eles foram liberados sem sofrer nenhum ferimento.

Em outra unidade prisional em Manaus, pelo menos 20 detentos fugiram do Ipat (Instituto Penal Antônio Trindade), também na tarde deste domingo. Desse total, 15 fugitivos foram recapturados.

De acordo com secretário, o estado, sozinho, não tem condições de controlar uma situação como essa. Agentes penitenciários da empresa terceirizada Umanizzare e 74 presos foram feitos reféns. Parte desses detentos foram assassinados e ao menos seis apenados foram decapitados. Corpos foram arremessados por sobre os muros do complexo.

As autoridades estaduais ainda não sabem ao certo quantos presos conseguiram fugir do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. 

Segundo Fontes, as forças de segurança optaram por não entrar no Compaj por considerar que as consequências seriam imprevisíveis. “[A rebelião] Foi gerida com negociação e com respeito aos direitos humanos”, disse Fontes, garantindo que os líderes da rebelião serão identificados e responderão pelas mortes e outros crimes.

Em nota, o Ministério da Justiça informou que o ministro Alexandre de Moraes esteve em contato com o governador do Amazonas, José Melo de Oliveira, durante todo o tempo. Ainda segundo o ministério, o governo estadual deve utilizar parte dos R$ 44,7 milhões de repasse que o Fundo Penitenciário do Amazonas recebeu do Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) na última quinta-feira (29) para reparar os estragos na unidade.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247