Reforma trabahista faz ações de trabalhadores na justiça despencarem

Não foi apenas a desregulamentação e o extermínio de direitos dos trabahadores que a famigerada reforma trabalhista de Temer-PSDB deixou como herança maldita. A perseguição ao advogados que se atreverem a entrar na justiça em defesa do trabalhador fez as ações na justiça despencarem para baixo de um milhão pela primeira vez em 10 anos.

Pessoas buscam vagas de trabalho no centro de São Paulo
Pessoas buscam vagas de trabalho no centro de São Paulo (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Não foi apenas a desregulamentação e o extermínio de direitos dos trabahadores que a famigerada reforma trabalhista de Temer-PSDB deixou como herança maldita. A perseguição ao advogados que se atreverem a entrar na justiça em defesa do trabalhador fez as ações na justiça despencarem para baixo de um milhão pela primeira vez em 10 anos. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "o número de processos trabalhistas à espera de julgamento em primeira instância recuou a menos de 1 milhão pela primeira vez nesta década. O volume está no patamar de 2007. Até junho deste ano, o volume residual despencou a 959 mil ações. Esse total é semelhante ao de 12 anos atrás, quando 2007 terminou com 946 mil reclamações sem julgamento." 

A matéria ainda relembra que "a queda no total de processos residuais é reflexo da reforma trabalhista do governo Michel Temer. As alterações na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) entraram vigor em novembro de 2017. Em menos de dois anos, mudanças nas leis trabalhistas voltaram ao debate no Congresso. A MP (medida provisória) da Liberdade Econômica, que está tramitando, é chamada de minirreforma trabalhista."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email