Reinaldo Azevedo: general, o Haiti não é aqui

"É uma tolice imaginar que vou me comportar como um menino assustado diante de seu uniforme, hoje na gaveta. O Haiti não é aqui”, diz o jornalista Reinando Azevedo sobre a declaração do chefe do GSI, general Augusto Heleno de como se iria operar um novo AI-5

247 - “O general Augusto Heleno, chefe do GSI (Gabinete da Segurança Institucional), resolveu me tirar para dançar no Twitter. Muita gente tenta. Poucos conseguem. Sou um senhor difícil. A pessoa tem de ao menos ter altura para chutar a canela. É o caso do ministro”, diz o jornalista Reinaldo Azevedo sobre a reação de Heleno após ele ter sugerido que o militar fosse convocado para explicar “suas considerações a respeito da defesa que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fez de um novo AI-5” . 

“Em vez de repudiar a tese por princípio, expressando a impossibilidade prática e moral de um golpe, o general resolveu flertar com a ideia. Reconheceu a dificuldade para implementá-la, é verdade, mas não sua desnecessidade”, destaca Azevedo em seu blog no UOL. 

“O general foi feito para guerra. É o normal. Mas não para flertar com golpes. Eu cuido de palavras e ideias. É a minha profissão. A conversa acima é coisa de golpista. E é uma tolice imaginar que vou me comportar como um menino assustado diante de seu uniforme, hoje na gaveta. O Haiti não é aqui”, ressalta o jornalista. 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247