Reinaldo Azevedo: hackers são a ‘Operação Uruguai’ de Moro

Para Azevedo, a fonte anônima do Intercept não tem relevância e se a PF estiver investigando isso é uma ação ilegal; “As informações que vieram a público são falsas ou verdadeiras? É isso que importa.”

(Foto: Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - O jornalista Reinaldo Azevedo, da Folha e da Bandnews, comparou a prisão dos supostos hackers como a desastrosa ‘Operação Uruguai’ do ministro Sérgio Moro.

A comparação foi entre a Operação Spoofing prendeu 4 pessoas na última terça (23) suspeitas de invadir o celular de Moro e outras autoridades, dentre as quais o presidente Jair Bolsonaro e a líder do governo Joice Hasselmann (PSL-SP).

“A Operação Uruguai é sinônimo de tentativa malsucedida de encobrir coisas erradas”, disse o jornalista, referindo-se à operação que tentou explicar a origem de determinados recursos financeiros usados na manutenção de Fernando Collor de Melo, então Presidente da República.

“Não deu certo, o Collor caiu. É bom que Moro e Dallagnol saibam disso”, alertou. “Operação Uruguai com organizações Tabajaras do Casseta & Planeta”, ironizou.

Para Azevedo, a fonte anônima do Intercept não tem relevância e se a PF estiver investigando isso é uma ação ilegal.

“As informações que vieram a público são falsas ou verdadeiras? É isso que importa.”

Segundo Reinaldo Azevedo, as fontes do jornalista Glenn Greenwald são anônimas e ele se recusa a falar sobre elas. A Constituição Federal assegura o sigilo da fonte e a liberdade de expressão no Brasil.

“Nem o Intercept sabe quem são as fontes porque os contatos se deram eletronicamente”, disse Azevedo. “Os hackers podem não ser as fontes ou pode. Gleen Greenwald não confirma nada”, completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247