Reinaldo Guimarães: falar em vacinação privada é hipocrisia. Se não tem vacina para todos, as empresas querem tirar do público

“Oras, se não tem vacinas para todos, eles estão tirando sim do SUS, do público. Isso é uma hipocrisia”, defendeu o pesquisador da UFRJ Reinaldo Guimarães ao condenar a postura dos empresários, que tentam furar a fila do SUS na aquisição de vacinas contra a Covid-19. Assista sua participação na TV 247

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Reinaldo Guimarães, pesquisador do Núcleo de Bioética e Ética Aplicada da UFRJ e vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), participou do programa “Brasil Popular”, exibido na TV 247, e condenou a proposta de um grupo de empresários na aquisição de vacinas, ação que teve o aval Jair Bolsonaro, furando a fila na imunização de grupos prioritários. “Oras, se não tem vacinas para todos, eles estão tirando sim do SUS, do público. Isso é uma hipocrisia”, disse. 

“Quem tem prioridade na vacinação são os segmentos da sociedade que possuem maior risco de morte. Quando começo a distribuir vacinas para outros segmentos, desrespeitando essa orientação mundial,  estou pensando apenas de forma comercial”, acrescentou. 

Apesar do aval de Jair Bolsonaro para os empresários terem acesso à vacina, a biofarmacêutica AstraZeneca, que fechou contrato com o Brasil no envio de vacinas, afirmou nesta semana  que não irá vender seus imunizantes ao setor privado neste primeiro momento.

Ações sindicais 

O pesquisador ainda destaca a papel importante da classe trabalhadora no combate ao vírus “Enquanto empresários querem furar a fila do SUS na aquisição de vacinas, as centrais sindicais, numa medida de empatia e em defesa da vida, pedem oxigênio para a Venezuela, dialogando também com as centrais sindicais chinesas na aquisição de vacinas. Os sindicatos estão saindo desta concepção corporativa”, elogiou. 

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email