Rejeição a Bolsonaro na gestão da pandemia bate recorde e chega a 54%, segundo Datafolha; 45% dizem nunca acreditar nele

Pesquisa Datafolha sobre o governo Bolsonaro na gestão da pandemia atinge pior nível de avaliação: 54%. Para 43%, o presidente é maior culpado pela crise da Covid. 45% dizem nunca acreditar em Bolsonaro

www.brasil247.com -
(Foto: ABr | Divulgação)


247 - A rejeição à ação de Jair Bolsonaro na gestão da pandemia da Covid-19 disparou ao maior nível desde que a crise sanitária começou, há um ano, segundo pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira (17). 54% dos brasileiros veem sua atuação como ruim ou péssima. Na rodada passada, realizada em 20 e 21 de janeiro, 48% reprovavam o trabalho de Bolsonaro.​ 45% dizem nunca acreditar em Bolsonaro.

A desconfiança de Bolsonaro é absoluta:  só 13% dizem sempre confiar no que o presidente diz, ante 23% dos homens. 

A reprovação a Bolsonaro é recorde: 44%, contra 40% registrados em janeiro.

Na pesquisa atual, o índice daqueles que acham sua gestão da crise ótima ou boa passou de 26% para 22%, enquanto quem a vê como regular foi de 25% para 24%. Não opinaram 1%.

A gestão do general Eduardo Pazuello, que está de saída do Ministério da Saúde, chega ao fundo do poço: a avaliação positiva da pasta caiu de 35% para 28% de janeiro para cá, o menor índice desde o início da pandemia.

43% consideram Bolsonaro o principal culpado pela fase aguda da pandemia, informa a Folha de S.Paulo.

O instituto ouviu por telefone 2.023 pessoas nos dias 15 e 16 de março. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247