"Revoltante e mostra a persistência da violência escravocrata no Brasil”, diz Dilma sobre assassinato de homem negro

Dilma Rousseff, presidente deposta pelo golpe de 2016, condenou o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro, espancado até a morte por seguranças do Carrefour. "Revoltante e mostra a persistência da violência escravocrata no Brasil”, postou nas redes sociais

Ex-presidente Dilma Rouseff
Ex-presidente Dilma Rouseff (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A presidente deposta pelo golpe de 2016, Dilma Rousseff, usou as redes sociais  para condenar o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, espancado até a morte por seguranças nas dependências de uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre. Nas postagens, ela diz que o homicídio “é revoltante e mostra a persistência da violência escravocrata no Brasil”. 

Em uma outra postagem, Dilma destaca que “a história de nosso país está manchada por 350 anos de escravidão e mais 170 anos de violência racista, exclusão da cidadania e profunda desigualdade impostas à majoritária população de negras e negros. O Dia da Consciência Negra é, assim, dia de luto e de luta”.

“Só  haverá paz e democracia plena quando o racismo estrutural for enfrentado, punido e destruído e a sociedade aprender que não basta não ser racista, é preciso ser antirracista e lutar contra todas as formas desta discriminação. #20DeNovembroDiadeLutoedeLuta #VivaZumbieDandara”, finaliza.

Confira as postagens de Dilma Rousseff sobre o assunto. 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email