'Risco exploratório no pré-sal é baixo', diz Gabrielli

Presidente da Petrobras comentou sobre os avanos do pr-sal em um seminrio em So Paulo



Agência Estado- O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, ressaltou hoje que o risco de desenvolvimento da produção no pré-sal existe, mas que o de exploração na nova fronteira de produção é pequeno. "O risco exploratório se mede por sucesso de poços pioneiros, que no pré-sal é de 87%. No mundo esse número é de 20% a 25%. Por isso, numericamente, o risco exploratório é baixo", disse Gabrielli em apresentação no Seminário Novos Desafios do Pré-sal promovido pelo Grupo Estado, e que acontece em São Paulo.

Em seguida, ponderou: "Mas ninguém disse que pré-sal não tem risco de desenvolvimento", disse, após o tema ser abordado por outros palestrantes do evento. A barreira a ser superada pela companhia está no desenvolvimento de infraestrutura para escoar a produção do pré-sal, no fornecimento de equipamentos e no desenvolvimento de novos materiais para explorar a região, entre outros pontos.

Experiência

O presidente da Petrobras destacou a importância da experiência adquirida pela empresa no desenvolvimento da Bacia de Campos para poder agora se dedicar aos projetos do pré-sal. "O que foi maravilhoso é que quando a Bacia de Campos estava alcançando sua maturidade descobrimos o pré-sal. E já chegamos até aqui com a experiência, infraestrutura e tecnologia desenvolvidos ao longo do tempo em que trabalhamos na Bacia de Campos", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Muitos dizem ao ver a descoberta do pré-sal que Deus é brasileiro, mas eu costumo dizer que Deus só ajuda quem trabalha e nós estamos trabalhando bastante", comentou em apresentação no Seminário Novos Desafios do Pré-sal, promovido pelo Grupo Estado e que está acontecendo neste momento em São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Listando a série de investimentos que a companhia vai realizar até 2020, Gabrielli lembrou que o volume de petróleo que a Petrobrás estará produzindo ao final da década deverá ser superior ao que a companhia produz hoje. "Só no pré-sal estaremos produzindo 2,7 milhões de barris por dia, que equivalem ao que produzimos hoje. Ou seja, levamos 54 anos para produzir isso e agora vamos dobrar isso em nove anos."

Gabrielli lembrou a importância do desenvolvimento da indústria nacional de petróleo e gás, não para atender às demandas imediatas da estatal, mas principalmente para estar apta a ser contratada quando entrarem em processo de desenvolvimento os campos adquiridos já sob contratos que preveem elevado teor de conteúdo nacional. "É preciso preparar a indústria para quando vier esta exigência", disse, lembrando que existem seis estaleiros em projeto, que devem levar três a quatro anos para se instalar. "Ninguém faz tudo isso de um dia para o outro. A gravidez neste setor é longa e dura muito mais do que nove meses", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Custos de perfuração

O presidente da estatal destacou que a companhia vem sistematicamente obtendo reduções de seu custo de perfuração na área do pré-sal, seja pelo maior conhecimento das áreas, seja por novas tecnologias e também redução do tempo de perfuração. Segundo ele, desde 2008 a empresa já conseguiu reduzir os custos em 45%, o que permitiu que o valor presente líquido (VPL) dos projetos aumentasse em 52% desde então.

"A maior parte dos custos do pré-sal, quase 60%, está nos sistemas submarinos. Reduzindo estes custos, temos uma performance melhor dos projetos, que nos permite chegar a um preço de equilíbrio, que garante todo o investimento feito, com VPL zero, inferior a US$ 45 por barril.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email